Itaú Blog

ESG: Entenda o conceito e a importância desse fator

Foto do Autor

Itaú Empresas

• 9 minutos de leitura

Homem e mulher olhando para uma ferramenta em um balcão
Homem e mulher olhando para uma ferramenta em um balcão

Antes de fechar uma compra, os clientes avaliam outros fatores que vão além do preço e da qualidade do produto ou serviço. Segundo uma pesquisa de 2020, 80% dos brasileiros gostariam de ser clientes de empresas consideradas responsáveis no quesito social e ambiental, ou seja, que tenham real comprometimento com essas causas.

Essa tendência entre os consumidores levou ao surgimento de uma sigla muito popular entre analistas de investimento e entusiastas do mercado no geral: ESG (Environmental, Social and Governance), que pode ser traduzida como “compromissos ASG” (Ambiental, Social e de Governança).

Muito mais do que uma sigla, a ESG representa as práticas de uma empresa que visa garantir impacto ambiental positivo, contribuição social e transparência no seu dia a dia.

Partindo dessa perspectiva, elaboramos este artigo entendermos melhor essa nova tendência e como a sua empresa pode se beneficiar dela. Quer saber mais? Então acompanhe a leitura e confira as respostas para as suas principais perguntas sobre ESG!

De onde veio a sigla ESG?

Em 2004, o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas, fundação internacional que agrupa a maior parte dos países do mundo) enviou uma carta para o mercado financeiro intitulada, “Quem se importa, vence”.

Nessa carta, a ONU recomendava que os investidores optassem por destinar o seu dinheiro para empresas com impacto social e ambiental positivos. Foi aí que surgiu a sigla ESG, mas ela só ficou popular mesmo muitos anos depois, em 2015.

Desde então, além da preocupação geral dos consumidores com questões como aquecimento global, desigualdade social e corrupção, os próprios investidores começaram a perceber que empresas que adotavam práticas ESG tinham um desempenho financeiro melhor em longo prazo.

Mas o que ESG tem a ver com a minha empresa?

A sua pequena ou média empresa pode não estar listada na bolsa, mas a importância que ela tem para a transformação social e ambiental é tão relevante quanto a de qualquer multinacional. Isso porque são as PMEs que estão mais enraizadas nas comunidades, e, através do trabalho conjunto de empreendedores engajados com essa causa, é possível gerar um impacto muito positivo.

Além do mais, por estarem em contato mais próximo com os clientes, as PMEs acabam recebendo essa pressão da sustentabilidade e responsabilidade social com muito mais força, o que significa também que você pode recolher resultados mais cedo se adotar esses compromissos.

Falando nisso, vale a pena entender os principais benefícios relacionados a tais práticas. Analistas no mercado observam que empresas ESG:

● alcançam um melhor desempenho financeiro;

● têm consumidores mais fiéis;

● passam uma imagem mais positiva;

● têm menos rotatividade de colaboradores;

● reduzem custos e evitam desperdícios;

● são mais transparentes;

● correm menos riscos.

Para não deixar de lado essas vantagens, é importante saber quais são as práticas ESG e como você pode adotá-las no seu negócio. Vamos lá!

Quais as principais práticas ESG?

Ambientais (E)

O aquecimento global é uma preocupação que alcança os quatro cantos do mundo. E os clientes acreditam muito que as empresas têm responsabilidade de diminuir os impactos negativos no meio ambiente e, sempre que possível, de agir para melhorar ativamente as condições ambientais das comunidades onde estão inseridas.

Um exemplo dessas práticas é a política de compensação de carbono do iFood, aplicativo de entrega de comida, que investe em reflorestamento e proteção ambiental de acordo com o gás carbônico emitido pelos restaurantes cadastrados e seus entregadores.

Sociais (S)

Problemas de desigualdade social, como fome, racismo e diferença salarial entre homens e mulheres, deixam as pessoas bastante comovidas e não é raro alguém parar de comprar em alguma loja ou restaurante onde é visto um caso de preconceito, por exemplo. Por isso, as empresas adotam medidas dentro e fora do ambiente de trabalho para diminuir essas mazelas sociais e causar um impacto positivo nas suas comunidades.

O Itaú, por exemplo, vem tomando para si essa responsabilidade, incentivando o crescimento profissional de colaboradores negros e mulheres, além de abrir vagas específicas para Pessoas com Deficiência (PCD).

Governança (G)

Governança é uma palavra complicada para falar sobre a gestão e transparência de uma empresa. Evitar casos de corrupção, desvios e conflitos de interesse precisa ser prioridade número 1 das organizações do século 21, e essa letra do ESG representa isso.

Uma empresa que pratica a boa governança corporativa deve sempre aprimorar seus mecanismos de transparência, auditoria e controle de gastos.

Além disso, algumas grandes marcas fazem uma prestação de contas completa perante a sociedade de acordo com seu faturamento e despesas. Tal conduta também pode ser uma boa inspiração para o seu negócio.

Como adotar o ESG na minha empresa?

É muito mais fácil adotar o ESG em pequenas e médias empresas do que fazer isso em organizações enormes, com milhares de funcionários e processos que precisam ser estabelecidos. Além disso, garantir esse compromisso pode ser uma catapulta para estreitar as relações com os clientes e levá-los a defender a sua marca entre seus amigos e colegas, o que ajuda a criar novos negócios.

Algumas práticas interessantes para cada área são as seguintes:

Ambientais:

● Garantir o descarte correto de mercadorias, equipamentos e materiais, preferindo a reciclagem sempre que possível;

● Optar por fornecedores que priorizam a procedência correta dos seus produtos e que minimizam os seus impactos ambientais;

● Participar de campanhas de conscientização sobre uso da água, coleta de lixo e emissão de gás carbônico, dentro e fora da empresa.

Sociais:

● Procurar construir equipes com diferentes trajetórias e perfis;

● Estimular o surgimento de novos talentos na sua comunidade;

● Promover ações para auxiliar comunidades carentes.

Governança:

● Estabelecer processos de gestão financeira que impeçam o surgimento de desvios e corrupção;

● Traçar um plano de expansão do quadro de administradores da empresa, para expandir e diversificar a gerência e trazer mais qualidade nas tomadas de decisão;

● Compartilhar o balanço financeiro com as lideranças para criar uma cultura de transparência na empresa e socializar a responsabilidade de elaborar medidas para aumentar as receitas e diminuir os custos.

Gostou dessas dicas para aplicar as práticas ESG no seu negócio? Então você não vai querer perder a nossa trilha de conteúdos sobre o tema, que vão ajudar você a se especializar ainda mais nesses compromissos, que trazem resultados para você e para o mundo.

Cadastre-se gratuitamente no Itaú Meu Negócio e confira os treinamentos que preparamos para você!