Itaú Blog

Boletim Galaxy: O pior ficou para trás?

O mês de junho marcou o quinto mês positivo do ano para criptomoedas, com BTC e ETH subindo ~12% e 6%, respectivamente. Conforme observado no boletim informativo do mês passado, o apoio e o investimento em ativos digitais por políticos, empresários e nações não diminuíram, apesar dos principais ventos contrários da indústria nos últimos 12 meses.

Foto do Autor

Galaxy Fund Management

• 8 minutos de leitura

Comentário do Mercado

A sensação do mercado é que o pior parece ter ficado para trás e isso é corroborado pelas seguintes observações:

  • Baixa alavancagem: o mercado baixista de 2022 em cripto foi marcado por uma lavagem completa da superabundância de crédito que havia sido acumulada desde os estágios iniciais do ciclo. Desde o colapso da FTX em novembro de 2022, tanto a oferta quanto a demanda por alavancagem em cripto caíram vertiginosamente devido à aversão ao risco por credores e especuladores. Para ilustrar esse ponto, o interesse aberto agregado em bitcoin (futuros + contratos a termo perpétuos) caiu quase 50% desde o pico do interesse aberto agregado em 2021.
  • Regulação: No início deste ano, persistia uma incerteza significativa em relação ao tratamento regulatório global dos criptoativos. Em apenas seis meses, vimos um progresso significativo na Europa (via MiCA), Hong Kong e Reino Unido. Nos Estados Unidos, a SEC parece já ter esgotado seu capital político depois de abrir processos contra Binance, Coinbase e outros. Além disso, muitos políticos de destaque no congresso de ambos os partidos demonstraram interesse em ativos digitais que sugeririam apoio legislativo no futuro.
  • Cenário Macroeconômico: descorrelação com ativos de risco mais amplos, as criptomoedas ressurgiram em 2023 como uma classe de ativo de reserva de valor. Isso foi alimentado por eventos como a crise bancária regional, o teto da dívida e o mercado do futuro de eurodólares que está precificando um pivô do Fed até o final de 2023.

 No mês passado, vimos a adoção institucional se tornar realidade quando a maior gestora de ativos do mundo, a BlackRock, entrou com pedido de um ETF de bitcoin à vista. Embora muitos tenham buscado aprovação para lançar ETFs de bitcoin baseados em spot no passado – dos gêmeos Winklevoss em 2013 a empresas como Fidelity, VanEck, WisdomTree, Valkyrie, Bitwise, 21Shares e Skybridge em 2021 – a BlackRock nunca havia solicitado aprovação até essa semana. Uma diferença notável entre o arquivamento da BlackRock e os arquivamentos anteriores é que a BlackRock utilizará software proveniente da Nasdaq para monitorar mercados à vista para vendas de lavagem, manipulação de mercado e outras medidas de integridade de mercado.

Em suas negativas anteriores, a SEC observou repetidamente a falta de “acordos de compartilhamento de vigilância” (SSA) suficientes para mitigar e impedir a manipulação do mercado. Outros aplicativos, como os da Fidelity e VanEck, continham informações sobre SSAs para monitorar derivativos, mas não mercados à vista. O anúncio do arquivamento do ETF da BlackRock desencadeou uma onda de reaplicações institucionais para ETFs de bitcoin baseados em spot. Desde o arquivamento da BlackRock, a WisdomTree, a Invesco e vários outros emissores arquivaram ou reativaram seus arquivamentos. Cada uma dessas empresas teve algum tipo de tentativa anterior de lançar ETFs de bitcoin baseados em spot em 2021, mas retirou seus pedidos ou foi rejeitado pela SEC. Antes dessa recente onda de reaplicações, o depósito conjunto da 21Shares e da ARK Invest era o único aplicativo ativo na fila.

A grande questão no mês passado foi: por que arquivar agora, depois de anos de negações e uma indústria cripto americana envolvida em disputas regulatórias? Uma resposta está na evolução dos mercados à vista subjacentes. Em suas rejeições anteriores, a SEC questionou a integridade dos mercados BTC à vista subjacentes como sua principal preocupação. As ações da SEC contra a Coinbase e a Binance podem fornecer uma certa clareza aos mercados à vista subjacentes, e o lançamento anunciado nesta semana da EDX, a bolsa cripto desagregada apoiada pela Citadel, Fidelity, Schwab e Virtu Financial, pode ser exatamente o tipo do mercado à vista subjacente que a SEC precisa para aprovar um ETF.

 Em segundo lugar, se você olhar em toda a gama de ações de execução da SEC, um nome é visivelmente omitido: Bitcoin. O Bitcoin é o único ativo que o presidente da SEC, Gary Gensler, declarou explicitamente que não é um título – pelo menos enquanto ele era presidente da SEC. Antes de se tornar presidente, o Sr. Gensler disse que nem Ethereum, Litecoin nem Bitcoin Cash eram valores mobiliários. (Aliás, o Bitcoin e os três ativos mencionados são aparentemente os quatro que serão negociáveis no primeiro dia no EDX.)

 Este novo ambiente talvez seja motivo suficiente para a BlackRock ver este momento como um momento particularmente auspicioso para arquivar. Até o CEO da BlackRock, Larry Fink, que já foi um crítico à classe, afirmou recentemente que o bitcoin poderia “revolucionar as finanças”. Teoricamente, o mais rápido que o ETF da BlackRock poderia ser aprovado é 13 de agosto, 45 dias após o registro. Isso tudo coloca muito na placa da SEC, particularmente com alguns dos processos mais antigos supostamente se aproximando das conclusões (Ripple & Grayscale).

Considerações de Portfólio

Dados os registros recentes de ETF da BlackRock e de outros gestores de ativos, e a maior probabilidade de a SEC aprovar esses ETFs de Bitcoin à vista, prevemos um ambiente mais favorável para o desdobramento dos preços do Bitcoin. Na verdade, existem vários paralelos que podem ser traçados entre o SPDR Gold Shares ETF (GLD) e o spot Bitcoin ETF proposto pela BlackRock. A maior acessibilidade e liquidez oferecidas pela estrutura de ETF da GLD contribuíram para a aceleração do desempenho do ouro. Se o movimento do preço do ouro após a aprovação do GLD pela SEC servir como qualquer indicação, a aprovação dos ETFs de Bitcoin à vista pelos principais gestores de ativos em todo o mundo pode abrir um caminho semelhante para o ativo subjacente.

Em outras notícias, o cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin, publicou uma postagem no blog no início deste mês descrevendo as três 'transições' necessárias para levar a Ethereum ao fluxo principal. Esses incluem:

  • A transição de dimensionamento: para que o Ethereum dimensione sua largura de banda de transação, é necessário mais desenvolvimento para soluções de Camada 2, como rollups.
  • A transição de segurança da carteira: A adoção em massa de plataformas de contratos inteligentes, como Ethereum, exige uma experiência de usuário mais integrada, o que significa interações de carteira mais intuitivas e com menos riscos.
  • A transição da privacidade: “Garantir que as transferências de fundos que preservam a privacidade estejam disponíveis”.

Esse texto foi originalmente publicado pela Galaxy Fund Management, em seu boletim informativo mensal. Para ler este e outros texto sobre o universo de criptomoedas, acesse o site da Galaxy Fund Management.