Cenário Macro Mensal: Julho 2022

Confira os principais destaques da nossa atualização mensal sobre o cenário econômico na visão do time de economia da Itaú Asset, liderado por Thomas Wu como economista-chefe.

Por Itaú Asset

3 minutos de leitura
Imagem ilustrativa do artigo Cenário Macro Mensal: Julho 2022
Elaboração: Itaú Asset Management

A resiliência da inflação em termos globais e os temores quanto a possibilidade de uma recessão econômica à frente se destacaram no centro do debate econômico.

Abaixo, você confere mais detalhes sobre os destaques do nosso bate-papo mensal relacionados ao cenário internacional e local.

Cenário internacional

No cenário internacional, o mês de junho foi marcado pela volatilidade.

A surpresa com os dados altistas de inflação nos Estados Unidos e a aceleração do ritmo de aperto monetário por parte do banco central americano, com a elevação dos juros em 0,75%, levaram os investidores a precificarem a necessidade de uma taxa de juros mais alta. Permeando este assunto, um tema relevante foi o comportamento das expectativas de inflação, algo extremamente importante para compreender os próximos passos dos bancos centrais.

Contudo, na segunda metade do mês, os investidores passaram a avaliar que o aperto nas condições financeiras trazidos pelas perdas nos mercados de renda fixa e renda variável, além da apreciação do dólar trazem incertezas sobre a necessidade de ainda maior restrição adicional por parte do Fed (ainda maiores altas de juros), com foco central na probabilidade de recessão a frente.

Imagem ilustrativa do artigo Cenário Macro Mensal: Julho 2022
Fonte: Goldman Sachs Research / Bloomberg - Itaú Asset Management

Nesse contexto, as expectativas quanto as revisões altistas para a taxa de juros americana mostraram certa acomodação.

Um processo consistente de arrefecimento na inflação ainda não parece ser realidade para os EUA e diversos países do mundo. A incerteza sobre a política monetária tem como centro a ainda não compreensão por completo do efeito de todos os choques que afetaram a inflação durante a após os momentos mais críticos da pandemia.

Assim, o balanço entre aperto monetário, condições financeiras, renda das famílias e emprego segue como tema que permeia as análises sobre o nível de juros necessário nos Estados Unidos para combater o avanço dos preços.

Cenário local

No cenário local, a inflação, ainda em nível elevado, continuou em foco.

E, apesar das últimas leituras de inflação indicarem uma continuidade de pressão nos núcleos (medida que exclui itens mais voláteis), tenderemos a observar uma redução na projeção de inflação neste ano, o que se relaciona à incorporação das recentes medidas que modificam alíquotas e base de cálculo para impostos federais e estaduais.

Ainda assim, para 2023, a perspectiva é que uma possível compensação de menores impostos neste ano pode levar a revisões do índice de preços para cima.

Em termos de política monetária, a dinâmica de uma inflação mais elevada em 2023 (horizonte relevante para o Banco Central), assim como a comunicação recente da autoridade monetária, nos leva a compreensão de que a taxa básica permanecerá em patamar mais elevado por um período mais longo em relação ao projetado anteriormente. Dado esse contexto, nossa projeção para a taxa Selic é de 13,75% para 2022 e 11,25% para 2023.

Confira as projeções da nossa equipe econômica aqui.

Assista à live completa abaixo!