Itaú Blog

Fair Play

TenisVesting: a integridade é essencial tanto nas quadras de tênis quanto no mundo dos investimentos

Foto do Autor

Andrea Masagão Moufarrege, Team Leader - Investment Funds Specialists

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Em 2018, participei de uma discussão acalorada na Comissão de Ética da Planejar sobre como definiríamos os princípios do novo código de ética da instituição. Aí veio a pergunta: o que é integridade para você?

Para mim, a melhor definição de integridade foi dada nas quartas de finais do Aberto de Roterdã em 2018. O placar era 1x1 em sets. Fededer sacava em 40x15 no segundo game do terceiro set contra o holandês Robin Haase. O primeiro saque foi muito rápido e angulado. Nenhum juiz de linha, de cadeira ou eletrônico marcou a bola fora. O Federer tirou a segunda bola do bolso e se preparou para o segundo saque. Haase levantou o braço e, no primeiro ato de pura integridade desse ponto, disse: “Roger, ninguém deu essa bola fora”. Federer levantou a cabeça e disee “Foi fora”. Não discutiu, sacou o segundo e ganhou o ponto em uma troca de fundo de quadra. Perfeita definição de integridade!

Mas nem todo jogador pensa, age e tem a percepção do Federer, então a ATP, WTA, ITF, FTP e clubes detalham em documentos extensos as regras e código de ética que se aplicam a cada torneio, treinam juízes e desenvolvem sistemas avançados para ajudar na leitura de bolas que atingem mais de 200 km/h. As regras e a tecnologia facilitam muito na hora de decisões difíceis. Trazem parâmetros de referência, precisão de análise, mas a boa e velha integridade resolve a maior parte dos problemas.

No mundo dos investimentos não é muito diferente. A regulação é essencial para o bom funcionamento do mercado. No Brasil, instituições públicas e privadas cumprem esse papel. Vou descrever brevemente aqui o papel de cada uma para que você entenda melhor como as normas se organizam para que possa se beneficiar mais delas.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM): tem a função de desenvolver, regular e fiscalizar o mercado de valores mobiliários, como instrumento de captação de recursos para as empresas, protegendo o interesse dos investidores e assegurando ampla divulgação das informações sobre os emissores e seus valores mobiliários.

Banco Central do Brasil (BACEN): no lado regulatório, tem a função de garantir o cumprimento das normas do Conselho Monetário Nacional (CMN). O BC monitora e fiscaliza o sistema financeiro e executa as políticas monetária, cambial e de crédito.

Superintendência de Seguros Privados (SUSEP): é o órgão responsável pelo controle e fiscalização dos mercados de seguro, previdência privada aberta, capitalização e resseguro no Brasil.

B3: é a principal bolsa de negociação de ativos líquidos e derivativos no Brasil e tem entre suas atribuições criar e administrar sistemas de negociação, compensação, liquidação, depósitos e registros para diferentes classes de ativos — como ações, fundos, derivativos, moedas e commodities.

Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima): é a entidade de autorregularão em que bancos, gestoras, corretoras, distribuidoras e administradoras se reúnem para estabelecer padrões mínimos e métricas para controles.

Planejar: filiada à Financial Planning Standards Board (FPSB), é responsável por emitir e supervisionar a certificação Certified Financial Planner (CFP) no Brasil.

A complexidade do mercado exige regras cheias de detalhes. Não é trivial conhecer tudo, mas com o apoio do setor de compliance, os profissionais de investimentos têm a obrigação de cumprir todas as regras para contribuir para a construção de um mercado cada vez mais íntegro e, em última instância, priorizar sempre o interesse dos clientes.

Uma recomendação essencial para o investidor é que sempre opere e se oriente com instituições reguladas e profissionais certificados. Infelizmente, nos investimentos, assim como no tênis, nem todo mundo é exemplo de integridade. A recorrência de fraudes, pirâmides e ofertas fora de perfil traz grande prejuízo ao investidor final.

Na minha visão, Nick Kirios e Stefanos Tsitsipas trouxeram prejuízo aos que amam assistir um jogo limpo em Wimbledon. Roubaram meu prazer na terceira rodada do torneio em 2022 com ofensas a juízes, boladas direcionadas ao público e postura ruim em quadra.

Quer uma boa forma de conhecer se o profissional de investimentos que te ajuda entende bem o que é integridade?

Se ele/ela jogar tênis, convide-o/a para bater uma bola.

A quadra de tênis te desafia e te expõe exatamente como você é, independente do placar.

Play!