Itaú Blog

Last Dance: o que Serena Willians tem a ensinar aos investidores

TenisVesting: entenda como alguns dos fatores que construíram o sucesso de Serena Willians se aplicam para investidores bem-sucedidos

Foto do Autor

Andrea Masagão Moufarrege, Team Leader - Investment Funds Specialists

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Tenho que confessar uma coisa. Eu nunca torci pra Serena. Na final do US Open 1999, torci para a Higins. Na final de Wimbledon 2004, torci para Sharapova. Na final do Australian Open 2018, eu torci para Kerber e na final de Roland Garros 2018 torci para Muguruza. Essa lista é longa…. perdi 23 vezes. Esse foi o total de Grand Slams em simples que essa monstra do tênis ganhou. Ela é incrível!

Na terceira rodada do US Open 2022, torci muito para ela adiar um pouco seu adeus ao circuito profissional, mas a vi perder e iniciar sua evolução para outra fase de vida. Vou ter que parar de aprender com ela nas quadras, mas continuo querendo muito aprender com ela para a vida.

Agora, me faço duas perguntas:

  • O que fez a Serena ser a Serena?
  • O processo dela tem semelhança com o de mitos do mercado financeiro?

Certamente, a história de vida da família Williams explica boa parte da construção da maior campeã da história do tênis feminino. O filme King Richard, que na verdade retrata a vida do pai da Serena com foco em sua irmã, Vênus, retrata detalhes que certamente fizeram a diferença na trajetória dela.

convicção do Richard Williams para inovar na técnica do forehand, insistindo no posicionamento ‘Open Stance’, contra todos os técnicos na época, foi um dos aspectos que mais me marcou no filme.

Vejo na decisão dele de não incluir as filhas no circuito profissional muito cedo outro fator de sucesso. Mais uma vez ele contrariou a tendência da época embasado em um fundamento de educação familiar que acreditava. Acertou de novo!

Já depois de ter se consagrado campeã de 13 Grand Slams ela teve a humildade de reconhecer que precisava de um outro time de apoio para superar uma fase ruim e voltar ao topo. Em 2012, uniu-se a Patrick Mouratoglou, que usou de toda sua sabedoria emocional para conquistar a confiança da Serena e levá-la a mais um ciclo de vitórias.

Simplificando bastante uma lista, que na verdade é enorme, vou focar em três fatores a que atribuo o sucesso da Serena e vou explorar as relações com mitos no mundo de investimentos.

  • Processo de Decisão;
  • Inovação Constante;
  • Time Excepcional.

Primeiro, é importante definir que qualifico como mito apenas as estruturas de investimento que mantêm esse reconhecimento por décadas. Estar entre os 10 melhores em performance em um ano pode não estar ligado a fatores que levam a manutenção desse destaque nos próximos 10 anos.

O investidor que pensa no longo prazo acerta muito mais e deve procurar gestores que estarão entre os melhores em vários ciclos, inovando e evoluindo sempre.

Analisar fundamentos econômico-financeiros, desafiar hipóteses frequentemente e montar posições de alta convicção, mesmo quando o mercado vai em sentido contrário, explica boa parte da performance destacada de mitos do mercado financeiro.

Escolher bem ativos financeiros tem muito mais relação com um processo de decisão bem estruturado do que, como muitos pensam, com a genialidade súbita de uma pessoa.

Porém, nem mesmo um processo de decisão consistente com inovação constante é suficiente para mitar no mercado se não estiver integrado a um time excepcional, formado por analistas e especialistas que se complementam na cobertura econômico-setorial e implementam operações com maestria.

Tá curioso(a) para saber quem é a Serena dos mercados?

Não achei esse(a) cara único ainda… Ela é inigualável! Play!

Dicas:

🎾Episódio 4 da série The Playbook, com Patrick Moratanglu

📈Ranking de Melhores Gestores de Acões da Decada no Brasil pela Morningstar