Itaú Blog

Marcamos presença na reunião anual do FMI

Nosso time participou de um dos eventos mais importantes do calendário econômico mundial. Veja alguns insights do encontro

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Na última semana, nosso time esteve presente entre diversas autoridades globais na reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e nos encontros que acontecem concomitantemente. Os eventos, que estão entre os mais importantes do calendário econômico mundial, aconteceram em Washington D.C., nos Estados Unidos.

Listamos alguns insights, que você confere a seguir.

Como está o cenário internacional

  • A inflação global tem pressionado os Bancos Centrais a elevarem suas taxas de juros mais rápido do que o esperado;
  • O aperto monetário é coordenado, mas as respostas dos países divergem, a depender do tipo de pressão inflacionária enfrentada. Escolher a dose do aperto também é uma decisão complicada diante das incertezas, pois subir muito/menos os juros pode ter consequências indesejadas;
  • O risco financeiro voltou ao radar. Os bancos centrais possuem instrumentos (liquidez e medidas regulatórias) para lidar com esses casos isolados, que já ocorreram no passado. Porém, no momento, ainda não é possível saber qual seria a magnitude desse potencial problema e como os países lidariam com a situação em caso de uma crise mais séria.

Os próximos passos nos Estados Unidos

  • O país tem uma inflação gerada domesticamente e, portanto, o aperto deve ser maior do que na Europa, onde a inflação até agora é mais relacionada à crise de energia;
  • O mercado espera que seja suficiente subir os juros americanos para perto de 5% e que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) pause o ciclo de aperto nos próximos meses. O risco é parar muito cedo e ter de voltar a elevar as taxas;
  • Há uma preocupação com o mercado de trabalho apertado. A oferta não tem melhorado como o esperado e pode ser difícil desaquecer a criação de vagas;
  • Dólar deve continuar forte, porque está relacionado com fundamentos melhores na economia americana. Não parece haver intenção de intervir.


A situação atual da China

  • A política de tolerância zero à Covid-19 não deve acabar tão cedo. As autoridades chinesas sabem do custo econômico envolvido e estão dispostas a arcar com as consequências;
  • A política atual é dar mais ênfase à autossuficiência da economia, especialmente no setor de tecnologia, à distribuição de renda e à segurança nacional. O país enfrenta problemas com o setor imobiliário, que são cíclicos e estruturais. É provável que aconteça uma pequena recuperação com os estímulos, mas que o setor desinfle nos próximos anos;
  • Quanto à situação com Taiwan, permanece um risco no médio prazo. Será importante acompanhar os resultados das eleições de Taiwan (2024) e dos EUA (neste ano e em 2024) para medir a possibilidade de um conflito mais explícito.

O cenário europeu diante da guerra

  • A crise de energia vai perdurar, e a economia começa a sucumbir com o peso do aumento no custo da energia, elevada inflação e risco geopolítico;
  • O inverno vai ser o grande teste para as estratégias adotadas até agora;
  • Recessão parece ser o cenário básico para 2023;
  • Impulsos fiscais tentam reduzir as dores de curto prazo, mas apenas distribuem o custo do ajuste ao longo do tempo;
  • O conflito na Ucrânia deve continuar, pelo menos até o final o inverno, e a escalada já está acontecendo, com a destruição na infraestrutura da Ucrânia e risco de sabotagem em outros países da região. Putin quer elevar o custo da guerra para os EUA e Europa.

As perspectivas para o Brasil

  • Visão muito positiva sobre o Brasil. O país navega bem no cenário de alta de preços de commodities e é autossuficiente em energia e alimentos. Está crescendo mais do que o esperado e tem espaço até para cortar taxas em 2023, já que começou a subir os juros antes de todos. A moeda brasileira está entre as poucas que estão apreciando neste ano em relação ao dólar.