Itaú Blog

Market update: confira os destaques do primeiro encontro do ano

Veja os principais pontos abordados na quarta edição da nossa live, que contou com a participação de Gina Baccelli, nossa economista-chefe e Laura Pitta, economista sênior do Itaú BBA para China e Europa

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Na última quinta-feira, 19, realizamos nosso quarto encontro “Market Update”, live mensal sobre os mercados globais com Marcelo Aagesen, Head of Global Markets e Niraj Patel, Chief Equities Strategy, ambos do Itaú Private Bank Internacional.

Confira os destaques da conversa, que foi sobre a reabertura da China:

Recuperação da China anima mercados, e desinflação global tende a continuar

Após três anos adotando uma política severa de combate à Covid-19, a China se reintegra ao mundo, e as expectativas na área econômica são altas. Com a perspectiva do ano novo Chinês no final do mês, já é possível identificar o aumento na venda de passagens, além de outros indicadores, como o de mobilidade, já não estarem mais tão distantes dos níveis pré-pandemia, embora ainda estejam baixos.

A retomada das viagens na China e os dados divulgados na última segunda-feira aumentaram as expectativas de uma recuperação na segunda maior economia do mundo, que até o início da semana passada vinha seguidamente vendo suas taxas de crescimento mais baixas em quase meio século. As últimas notícias trazem um viés de alta para além da projeção anterior, que era de 4,8%. A maior preocupação com relação à China é sobre o consumo, que já não registrava transferência de renda desde tempos anteriores à 2020.

Já com relação ao impacto da recuperação asiática na recuperação global, as perspectivas – embora positivas – não são tão boas. Com as economias europeia e americana desacelerando, não se espera que a China consiga colaborar expressivamente nessa recuperação.

Petróleo

Sobre as projeções com relação ao Petróleo, os impactos maiores poderiam vir tanto da economia global quanto da retomada da China. No entanto, a normalização da mobilidade chinesa e a desaceleração na economia global acabam trazendo equilíbrio. A expectativa de preço é de 80 dólares o barril de Brent (hoje em 87,15 USD), algo bem próximo do cenário atual, num panorama de mercado equilibrado.

Embora estável, mas ainda sem resolução, o conflito Rússia x Ucrânia segue no radar. Uma mudança na dinâmica poderia influenciar o preço do petróleo, o que – ao menos até agora – não ocorreu de forma significativa.

Cenário Global

Os acontecimentos mundiais seguem dentro das expectativas projetadas no cenário básico, com os principais bancos centrais mostrando sinais de parar a subida de juros. A expectativa é de um ano bem melhor em termos de inflação em relação ao ano passado.

Mercado Internacional

Nos EUA, os mercados de renda fixa já começaram a precificar uma inflação mais baixa e performam bem no curto prazo. Já o mercado de ações está em alta, mas ainda há especulação sobre o quanto o ritmo da retomada da economia – e a consequente demanda por petróleo – poderá impactar na sua performance, tanto positiva quanto negativamente.

Assista ao vídeo na íntegra: