Itaú Blog

Market update: multicrise, dólar fraco e ecos do encontro de primavera do FMI

Confira os destaques da edição mensal da live do Itaú Private Bank, em que conversamos sobre os principais tópicos discutidos no último encontro do FMI

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Na última quarta-feira, 26, realizamos nossa live mensal “Market Update” sobre os mercados globais com Marcelo Aagesen, Head of Global Markets e Niraj Patel, Chief Equities Strategist, ambos do Itaú Private Bank Internacional. O encontro contou com a participação da economista-chefe do Itaú Private Bank, Gina Baccelli, que participou das reuniões e dos eventos em Washington.

Destaques da conversa

O bate-papo girou em torno do encontro promovido pelo FMI e pelo Banco Mundial, conhecido como o “encontro da primavera”, realizado no início de abril no hemisfério norte. Além da programação principal, os bancos também realizam diferentes eventos paralelos onde analisam a situação econômica do mundo.

De acordo com Baccelli, há um certo consenso de que vivemos uma multicrise: social, climática e geopolítica. A alta dívida pública, especialmente nos EUA, vem gerando maior demanda por gastos sociais, perda de confiança nas instituições, polarização política e maior probabilidade de choques de oferta.

Os formuladores de política econômica vão precisar ser mais flexíveis, especialmente os bancos centrais, que terão que lidar com mais choques do que antes.

China e EUA estão no centro das questões geopolíticas, com a Ucrânia sendo vista como campo de batalha dessa disputa. Outros países podem surgir como pontos de tensão, como Irã e Taiwan. Está sendo criada toda uma narrativa sobre uma moeda americana mais fraca, e isso se dá muito em razão das tensões e, especialmente, do cenário geopolítico. Um terceiro mundo cada vez mais influente acaba refletindo em uma diminuição dos investimentos em dólar e na diversificação das carteiras, incluindo cada vez mais outras moedas.

A crise energética na Europa parece ter sido superada, mas a região precisará lidar com a necessidade de aumentar gastos com defesa e integrar mais os países para se tornar um terceiro poder mundial.

Principais tópicos discutidos no último encontro do FMI

  • Preocupação com os riscos presentes na economia global devido à crise social, fiscal, geopolítica e climática.
  • Inflação está em seu nível mais alto desde os anos 70, pressionando os governos e formuladores de política econômica.
  • Alta incerteza geopolítica implica em realocação da produção global e cadeias mais resilientes.
  • Preços de commodities pressionados por falta de investimentos e pressões climáticas, contribuindo para aumento da dívida mundial.
  • Dúvidas sobre o retorno da inflação para a meta de 2% registrados antes da Covid, ajustes nos modelos de meta são necessários para trazer mais flexibilidade na condução de política monetária.
  • Há um temor de que a crise dos bancos regionais, especialmente pela parte dos cientistas políticos, de que esta seja apenas a primeira de várias crises causadas pela má alocação de risco em um cenário de juros baixos por muito tempo.

Assista ao vídeo na íntegra: