Itaú Blog

No radar do mercado: Fed eleva juros em 0,75 p.p.

Em linha com as expectativas do mercado, o Federal Reserve promoveu mais uma alta de 75 pontos-base nos juros dos Estados Unidos

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Em linha com as expectativas do mercado, o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) do Federal Reserve promoveu mais uma alta de 75 pontos-base nos juros dos Estados Unidos, com a taxa passando para um intervalo de 2,25% a 2,5% ao ano. Com isso, alcança o chamado nível neutro. A decisão resultou no quarto aumento consecutivo feito pelo Fed neste ano e o maior no país desde a década de 1980.

No comunicado, o Fed destacou que os dados mais recentes de consumo e produção desaceleraram. Por outro lado, o mercado de trabalho permanece apertado, com uma baixa taxa de desemprego, enquanto a inflação segue elevada, refletindo os desequilíbrios de oferta e demanda relacionados à pandemia, custos mais altos de alimentos e energia e elevações mais disseminadas de preços. O comitê enfatizou que a guerra na Ucrânia tem pressionado a inflação para cima e pesado sobre a atividade econômica global, mas afirma que continua atento aos riscos inflacionários.

O comunicado destaca que o comitê está fortemente comprometido em devolver a inflação à meta de 2% e preparado para ajustar a orientação da política monetária, caso necessário. Para as próximas reuniões, o comitê antevê aumentos contínuos. Além disso, reafirmou que seguirá com a redução de seu balanço patrimonial, diminuindo as participações em títulos do Tesouro e lastreados em hipotecas, em linha com as diretrizes divulgadas anteriormente.

Powell reafirma ritmo dependente de dados

Na coletiva após a reunião do comitê, o presidente do Fed, Jerome Powell, manteve tom neutro, reafirmando que o ritmo das próximas altas segue dependendo dos dados econômicos e da evolução das perspectivas para a economia.

Powell também reconheceu que, à medida que o juro atinge nível restritivo, aproxima-se o momento de redução do ritmo de altas, mas que o comitê ainda não decidiu qual seria tal ponto.

Nossa expectativa é que que o Fed leve os juros para patamar significativamente acima do neutro, encerrando o ciclo com a taxa no intervalo de 4,0% a 4,25%.