Itaú Blog

Nossa recomendação de investimentos de fevereiro

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise de cenário e as alocações do comitê de investimentos

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Divulgamos nesta quinta-feira, 15, as perspectivas e estratégias do nosso comitê de investimentos, que se reúne mensalmente para decidir as alocações táticas das carteiras-modelo, baseadas nos cenários macroeconômico internacional e local. Desta vez, mantivemos nossas posições inalteradas. Entenda a seguir a nossa avaliação do cenário.

Internacional

  • O início do ano foi marcado pela moderação do otimismo visto no final de 2023.
  • A atividade econômica americana mais resiliente, a postura mais cautelosa do Federal Reserve (Fed, banco central americano) e a surpresa inflacionária para cima empurraram as expectativas do mercado para um início de cortes de juros mais tardio nos EUA, ainda que na primeira metade do ano;
  • Na Europa, a economia continua fragilizada, mas sem entrar na chamada “recessão técnica”, quando a atividade retrai por dois trimestres consecutivos.
  • Na China, após um crescimento sólido em 2023, a expectativa de anúncio de novos estímulos continua no centro das atenções.
  • Diante desse cenário, mantivemos nossas posições inalteradas.
  • Seguimos otimistas com as bolsas de mercados emergentes. Vemos fatores positivos para a classe contribuir positivamente para os portfólios no médio prazo.
  • Nos EUA, permanecemos construtivos com títulos de crédito americano com grau de investimento (investment grade). A preferência dos investidores por empresas com balanços sólidos deve favorecer a classe neste ano.

Local

  • O cenário que se desenha para 2024 no Brasil é relativamente favorável, com a continuidade dos cortes de juros e do processo de desinflação, atividade econômica sólida e contas externas saudáveis. Os desafios fiscais, por outro lado, devem continuar no radar;
  • Nesse contexto, mantivemos nossas posições inalteradas para a carteira local neste mês.
  • Apesar do viés positivo, nosso posicionamento segue neutro para a bolsa brasileira, levando em consideração as incertezas no cenário externo.
  • No juro real, os papéis de inflação continuam sendo nossa classe favorita. Além do patamar de taxas ainda ser atrativo, a proteção inflacionária proporcionada por estes papéis é um ativo valioso.
  • Apesar de continuarmos a enxergar fundamentos sólidos para uma valorização do Real, as incertezas decorrentes da resiliência da economia americana e da trajetória dos juros nos levam seguir sem alocação em moedas.

Confira no vídeo abaixo um resumo feito pelo CIO do Itaú, Nicholas McCarthy:

Para acessar o relatório completo, fale com sua equipe de atendimento.