Itaú Blog

Payroll: EUA criam 315 mil vagas de emprego em agosto

No radar do mercado: Estados Unidos desacelera na criação de vagas em agosto; no Brasil, produção industrial avança 0,6% em julho

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

O relatório de folha de pagamentos dos Estados Unidos, o Payroll, indicou a criação de 315 mil vagas de trabalho em agosto no país, em linha com o esperado pelo mercado e desacelerando em relação ao mês anterior (número revisado para 526 mil).

O crescimento no mês foi liderado por serviços profissionais e empresariais, cuidados com a saúde e comércio varejista. Apesar da desaceleração na criação de vagas, a leitura sugere que a economia do país permanece sólida.

A taxa de desemprego subiu, de 3,5% no mês anterior para 3,7%, enquanto a expectativa do mercado era de manutenção. Esse movimento é explicado por um aumento na taxa de participação acima do esperado, para 62,4%.

Os ganhos salariais por hora trabalhada avançaram 0,3%, para 32,36 dólares, levemente abaixo da expectativa do mercado, de 0,4%. Nos últimos 12 meses, a alta é de 5,2%.

A leitura deve manter margem para que o Fed decida a magnitude da alta de juros na reunião de setembro. Nesse contexto, a leitura de inflação de agosto deve ter papel fundamental na avaliação sobre o momento certo para desacelerar o ritmo de alta de juros, já que uma eventual desaceleração foi mencionada pelo presidente do banco central, Jerome Powell, em mais de uma oportunidade.

Produção industrial avança 0,6% em julho

A Pesquisa Industrial Mensal (PIM) de julho apontou um avanço de 0,6% do setor na variação mensal, eliminando a queda de 0,3% verificada em junho.

O resultado veio em linha com as expectativas do mercado, com crescimento moderado no segmento de manufatura, enquanto o setor extrativo avançou em ritmo mais acelerado, ainda se recuperando da forte queda de maio.

Em relação ao mês de julho de 2021, a indústria teve sua segunda taxa consecutiva negativa na comparação interanual, com recuo de 0,5%.

De maneira geral, houve uma baixa difusão entre os segmentos: apenas 10 das 26 atividades industriais pesquisadas registraram crescimento na comparação mensal. Máquinas e equipamentos, outros produtos químicos, e veículos automotores, reboques e carrocerias apontaram uma redução na produção.

Ao analisar as quatro grandes categorias econômicas, duas retraíram. Bens intermediários e bens de consumo semi e não duráveis assinalaram as taxas positivas do mês. Por outro lado, recuaram os setores produtores de bens de consumo duráveis, impactados pela produção de veículos, e de bens de capital.

Com o resultado de hoje, esperamos que a produção industrial tenha uma pequena contribuição para o PIB do terceiro trimestre de 2022.