Itaú Blog

PIB na zona do euro surpreende e cresce no 4º trimestre

No Radar do Mercado: o PIB da zona do euro registrou crescimento no último trimestre de 2022, enquanto a expectativa era de retração; na China, os indicadores de atividade voltam ao patamar expansionista.

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

O Produto Interno Bruto (PIB) na zona do euro registrou um crescimento de 0,1% no quarto trimestre de 2022, na comparação com o trimestre anterior, quando o crescimento foi de 0,3%. Os dados preliminares foram divulgados hoje pela agência de estatísticas Eurostat.

O resultado superou as projeções do mercado, que esperavam uma retração do indicador (-0,1%). Com a resiliência mesmo em meio a diversos desafios, a divulgação aponta para crescimento de 3,5% do bloco em 2022.

Ao analisar o resultado dos países-membros, os indicadores da Itália e da Alemanha, os mais expostos aos efeitos da crise energética gerada pela guerra na Ucrânia, contraíram no trimestre. Já a França e a Espanha ainda apresentaram uma expansão na margem.

O destaque ficou com a Irlanda, que registrou uma aceleração no crescimento, de 2,3% no trimestre anterior para 3,5%, e ajudou a impulsionar o resultado do bloco. Ao excluir o país do PIB da zona do euro, a leitura permaneceria estável no quatro trimestre.

A divulgação deve amplificar o movimento identificado nas últimas semanas, de revisão altista para as projeções de crescimento do grupo, tanto no inverno quanto no ano de 2023.

Indicadores de atividade aceleram na China

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da China divulgado pela Agência Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês) subiu em janeiro para 50,1, em linha com as expectativas do mercado e voltando para patamar expansionista (acima de 50).

A leitura foi puxada por uma recuperação de novos pedidos e pelo componente de produção. O tempo de entrega de fornecedores também apresentou recuperação, mostrando alívio nas cadeias de suprimento na comparação com dezembro.

Já o PMI não-manufatureiro, que inclui os setores de serviços e construção, deu um salto de 12,8 pontos, para 54,4, acima das expectativas do mercado. Vale destacar que serviços registraram uma forte recuperação, agora em 54, com o fim das restrições da política de Covid-zero e recuperação da demanda reprimida.

De maneira geral, a leitura positiva de hoje reforça a expectativa de um crescimento mais forte para 2023, diante de uma recuperação mais rápida da economia chinesa. Atualmente, a projeção do mercado para o PIB deste ano é de aproximadamente 5,1%.

O que achou deste conteúdo?