Itaú Blog

Reforma tributária é aprovada na Câmara; EUA criam menos vagas do que o esperado

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Reforma tributária é aprovada na Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos o texto-base da reforma tributária na madrugada desta sexta-feira. A proposta aprovada prevê a fusão de três tributos federais (PIS, Cofins, IPI), um estadual e um municipal (ICMS e ISS, respectivamente) em um Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que começa a ser implementado em 2026, com uma alíquota teste. 

O sistema será dual, o que significa que o governo federal administrará uma parte da alíquota, enquanto estados e municípios ficam responsáveis pela outra. Em 2027, PIS e Cofins serão substituídos pela nova alíquota, enquanto a migração dos impostos estaduais e municipais só deve terminar em 2033. 

Foram feitas alterações ontem em relação à versão apresentada na quarta-feira, como a inclusão de mais setores com alíquota reduzida de 60% ou zerada, além da  extensão da isenção tributária às entidades religiosas, entidades assistenciais e filantrópicas.  Já o cálculo da alíquota de referência será baseado em uma proposta do Ministério da Fazenda, e não apenas do Tribunal de Contas da União.

Após a votação dos destaques (possíveis mudanças) nesta sexta-feira, a proposta segue para avaliação do Senado.

Payroll: EUA criam 209 mil vagas em junho

O Payroll, relatório de folha de pagamentos do Departamento do Trabalho dos EUA, indicou a criação de 209 mil vagas em junho. O resultado veio abaixo das expectativas do mercado (225 mil) e desacelerou o ritmo na comparação com o mês anterior (que foi revisado para baixo na leitura de hoje, agora em 306 mil).

A taxa de desemprego recuou de 3,7% para 3,6%, enquanto a taxa de participação se manteve estável em 62,6% pelo quarto mês consecutivo, ambos em linha com as expectativas. 

Os ganhos salariais por hora trabalhada subiram 0,4%, para 33,58 dólares, acima do esperado. Nos últimos 12 meses, houve alta de 4,4%, mesmo patamar registrado em maio (que foi revisado hoje para 4,4%), enquanto a expectativa do mercado era de 4,2%.

De maneira geral, os dados do mercado de trabalho americano apresentaram sinais mistos. Por um lado, houve uma desaceleração no ritmo de criação de vagas, por outro, a taxa de desemprego diminuiu e os ganhos salariais avançaram além do esperado pelo mercado. A leitura não deve alterar expectativa do mercado por uma alta de 25 pontos-base nos juros na próxima reunião do Federal Reserve (Fed, banco central americano), que acontece agora em julho.

💬 O que achou deste conteúdo?