Itaú Blog

Renda Fixa, Só Que Não…

TenisVesting: a marcação a mercado pode doer como uma lesão em um tenista, mas te protege através da transparência

Foto do Autor

Andrea Masagão Moufarrege, Team Leader - Investment Funds Specialists

• 5 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Como assim? A Renda Fixa varia? Sim!

Entender bem esse conceito é tão importante nos investimentos quanto se cuidar contra lesões no tênis. Então, força, vamos lá!

Tudo começa no processo de cálculo do rendimento de um título de renda fixa prefixado. Veja um exemplo fácil, com números redondos, para facilitar a vida.

Você investe R$ 1.000 em 01/01/2022 em um título que vence em 31/12/2022 a uma taxa de juros de 10% ao ano. A única hipótese de você não receber seus R$ 1.100 em 31/12/2022 é se o emissor desse título entrar em inadimplência. Combinado é combinado. Mas, e se você quiser, por qualquer motivo, vender esse título em 30/06/2022? Quanto vai receber por ele?

Pensa que você vai vender para um parceiro justo. No tênis é aquele que joga bem, dentro das regras, mas não entrega nenhum ponto. No mercado, é aquele que sabe fazer conta, usa dados transparentes, mas não quer perder dinheiro.

Seu parceiro justo vai pensar assim:

🤔 Eu topo comprar, mas vou comparar com as alternativas de mesmo risco de crédito e vencimento que existem no mercado no dia da compra. Como esse título vai devolver R$ 1.100 em 31/12/2022, preciso fazer a conta de até quanto posso pagar para ser equivalente comprar desse parceiro ou de outro no mercado. Beleza, então vou descontar o valor final pela taxa que está valendo no mercado neste dia, aí fica tudo equivalente.

Boa! Mas guarda esse conceito importante: seu parceiro vai descontar pela taxa do mercado no dia, independentemente da taxa que você combinou com o emissor do título quando comprou.

Então vamos pensar três situações que podem ocorrer em 30/06/2022, comparando sempre o quanto você já acumulou de rendimento pela taxa combinada no início (preço na curva) com o preço equivalente a taxa de mercado no dia (preço de mercado).

1) Taxa de juros permanece em 10% a.a.

Preço na Curva: R$ 1.000 * (1,10 ˆ(1/2)) = R$ 1.048

Preço de Mercado= R$ 1.100/(1,10 ˆ(1/2) = R$ 1.048

Tranquilo! Para você fica igual.

2) Taxa de juros baixa para 5% a.a.

Preço na Curva: R$ 1.000 * (1,10 ˆ(1/2)) = R$ 1.048

Preço de Mercado: R$ 1.100/(1,05 ˆ(1/2)) = R$ 1.073

Opa! Você ganharia dinheiro.

3) Taxa de juros sobe para 15% a.a.

Preço na Curva: R$ 1.000 * (1,10 ˆ(1/2)) = R$ 1.048

Preço de Mercado: R$ 1.100/(1,15ˆ(1/2) = R$ 1.026

Eita! Você perderia dinheiro. Então, vale repensar se você precisa efetivamente vender o título nesse dia ou se consegue mantê-lo até o vencimento e receber seus R$ 1.100 em 31/12/2022.

Note que quando a taxa sobe o preço cai e quando a taxa cai o preço sobe. 😉

Parabéns!

Você acabou de entender o conceito de marcação a mercado de títulos de renda fixa. É isso que faz a renda fixa não ser tão fixa. Agora, você não precisa mais ficar confuso quando ver nos relatórios seus investimentos em renda fixa variando.

A beleza da marcação a mercado é que ela traz informações reais do quanto efetivamente vale sua carteira, se você decidir vender em qualquer dia.

Tudo que traz mais informação e transparência ajuda a tomarmos melhores decisões de investimento. Quando a marcação a mercado mostra prejuízos em sua carteira, dói. Ela te faz pensar se essa posição está adequada, se você acertou no tamanho e no momento de compra. Mas ela só te machuca de verdade se você concluir que errou no tamanho da posição ou em alguma premissa muito importante quando comprou esse título. O que te tira do jogo é precisar do dinheiro, prever que vai obter um valor, mas receber menos porque não trabalhava com preços reais. A marcação a mercado te protege dessa situação, apesar de te mostrar realidades que, às vezes, são duras.

O jogo de tênis é cruel com o corpo. Exige força, flexibilidade, elasticidade e resistência. A dor, quando aparece, é um sinal que precisamos respeitar para podermos jogar sempre. As lesões sérias te tiram do jogo de verdade.

Então, todo cuidado vale a pena. Fortalecer-se fisicamente é o melhor caminho para jogar sempre saudável.

Já tive diversos tipos de lesões. Cotovelo de tenista, pedrada na panturrilha, inflamação no manguito, inchaço no joelho… Já conheci todos esses adversários e perdi várias vezes. Concluí que o único golpe efetivo contra eles é a dedicação no treino físico.

Melhorou muito a minha vida quando decidi trocar a joelheira pela caneleira, com dedicação religiosa a exercícios de fortalecimento, e a cotoveleira pelos elásticos, como rotina obrigatória antes de entrar em jogo.

A cada série, todo dia, marco a mercado meu corpo e fico mais forte para ficar no jogo por muito tempo.

Play!