Itaú Blog

Revisamos os nossos cenários brasileiro e global

No radar do mercado: divulgamos as revisões de cenários local e internacional. Leia também nossa análise sobre o volume de serviços de junho

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

A dinâmica fiscal é o principal desafio adiante. Estimamos superávit primário em 2022 e déficit para 2023. Revisamos a estimativa do PIB no 2T22 para 1,0% diante de dados mais robustos, e elevamos a expectativa para o PIB de 2022 para 2,2%.

Reduzimos a projeção para o IPCA de 2022 para 7,0%, incorporando maior repasse da redução de tributos e cortes de preços de combustíveis nas refinarias. Para 2023, revisamos o IPCA de 5,6% para 5,3%. Acreditamos que o Copom encerra o ciclo no patamar atual. Para 2023, esperamos um recuo da Selic para 11% ao longo do segundo semestre. Clique aqui para ler o relatório completo.

Revisão de cenário – Global: juros em nível restritivo

A inflação de serviços permanece resiliente e requer juros em patamares restritivos. Nos EUA, reduzimos as projeções para o PIB para 1,6% em 2022 e 0,8% em 2023, mas o Fed deve subir mais os juros (três acréscimos de 0,50 p.p. em 2022, para 3,8%, chegando a 4,1% em 2023).

A Europa entrará em recessão em 2023, e o BCE deve aumentar os juros neste ano para 1,0% (um acréscimo de 0,50 p.p. e dois de 0,25 p.p.). Projetamos crescimento do PIB chinês de 3,2% em 2022 e 5,0% em 2023. Além disso, revisamos as previsões para preços de commodities. Clique aqui e leia o relatório completo.

Volume de serviços cresce 0,7% em junho

O IBGE divulgou hoje a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), que apontou uma alta mensal de 0,7% no setor em junho. O resultado veio acima das expectativas do mercado (0,4%). Assim, o setor de serviços cresceu 1,1% t/t no segundo trimestre.

Na comparação anual, o setor assinalou a 16ª taxa positiva consecutiva ao avançar 6,3%. Com o resultado divulgado hoje, os serviços estão 7,5% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020. O acumulado nos últimos doze meses passou de 11,7% em maio para 10,5% em junho, com perda de ritmo pelo terceiro mês seguido.

Quatro das cinco atividades investigadas registraram crescimento, com destaque para transportes e para profissionais, administrativos e complementares, que registraram o segundo resultado positivo consecutivo. A única taxa negativa ficou com informação e comunicação, que devolveu parte dos ganhos registrados entre março e maio deste ano.