Itaú Blog

Rivais

TenisVesting: tenistas enfrentam seus rivais nas quadras em busca da vitória; no mercado, os ativos disputam espaço de alocação na carteira dos investidores que buscam a melhor performance

Foto do Autor

Andrea Masagão Moufarrege, Team Leader - Investment Funds Specialists

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

TenisVesting: assim como nas partidas de tênis, é possível que uma rivalidade seja construída de forma saudável entre ativos para melhorar a performance de um portfólio

Quando duas pessoas ou grupos buscam o mesmo objetivo, que não pode ser compartilhado, elas competem. Quando essa competição ocorre várias vezes em duras batalhas e a quantidade de vitórias é equilibrada, elas se tornam rivais. Rivalidades geram até guerras, mas quando acontecem em ambiente de competição saudável puxam a performance para níveis cada vez maiores.

🎾 📈 Na história do tênis, várias rivalidades com jogadores incríveis se construíram. Nos investimentos, os dois grandes rivais na alocação de capital sempre foram a renda fixa versus a renda variável.

🎾 de 1970 a 1990, no tênis masculino, apesar de ter vencido sete Grand Slams e ter atingido a liderança no ranking em 1980, John McEnroe não foi o maior campeão, mas certamente o maior rival. Nesse período, desenvolveu rivalidades históricas com Björn Borg, Jimmy Connors e Ivan Lendl em partidas memoráveis cheias de emoção e algumas raquetes quebradas. O contraste de personalidade e estilo de jogo desses jogadores alimentou uma era que também assistiu a Boris Becker e Stefan Edberg enfrentarem-se em jogos marcados por grande rallies e voleios precisos.

🎾 de 1990 para frente, assistimos rivalidades virarem uma “trivialidade” com Roger Federer, Rafael Nadal e Novak Djokovic trazendo o jogo para outro nível em uma alternância de supremacia maravilhosa. Nesse mesmo período, no feminino, a rival quase imbatível foi sempre a mesma, Serena Williams, que só encontrava resistência maior dentro da própria família nas 30 vezes que enfrentou sua irmã, Venus. A competição entre as irmãs Williams, no entanto, despertou menos emoção nos fãs do que Chris Evert e Martina Navratilova nos anos 1980. Estas duas se enfrentaram 80 vezes, e o contraste de estilos, personalidades e cultura cultivou uma legião de fãs para os dois lados. Navratilova ganhou mais vezes de Evert e enfrentou mais adiante outra grande rival, Steffi Graf, que por sua vez batalhou também contra Monica Seles nesse período. É verdade que essas campeãs só tiveram oportunidade de jogar nesse nível porque Billie Jean King e Margaret Court usaram a rivalidade para quebrar várias barreiras em benefício do tênis feminino.

📈 Na disputa pela alocação de capital em uma carteira de investimentos, ativos de renda fixa e de renda variável mostram suas armas na relação de risco & retorno para influenciar os investidores a privilegiarem mais ou menos cada classe em suas decisões de alocação.

📈 Excluindo eventos de crédito, o resultado de um título de renda fixa prefixado levado até o vencimento é conhecido no momento da compra, enquanto uma ação oferece uma larga faixa de possibilidades. Pode-se ganhar ou perder muito. Este risco precisa ser remunerado, e a medida conhecida como “Equity Risk Premium (ERP)” é uma forma de avaliar se o ganho adicional dos ativos de renda variável é atrativo o suficiente para ganhar uma parcela maior do portfólio em detrimento da renda fixa.

📈 As metodologias e hipóteses para calcular o ERP variam, mas, fundamentalmente, definem-se como a diferença entre o retorno esperado da carteira de ações e a taxa de juros do ativo livre de risco.

ERP(t) = ERP (Rm,t) — R(f,t)

📈 As diferentes abordagens consideram desde apenas dados passados até exclusivamente expectativas de retornos futuros já precificados no mercado. Via de regra, a taxa livre de risco mais considerada é a do título de 10 anos emitida pelo tesouro americano. Todas as formas de cálculo precisam ser avaliadas com cuidado, entendendo bem suas hipóteses, para aplicação no mercado e contexto adequados. O ERP é uma medida muito sensível aos ciclos econômicos e a combinação de abordagens é o caminho preferido por analistas experientes.

📈 Como se a complexidade de escolha apenas entre ativos de renda fixa ou ações não fosse suficiente, o mercado desafia ainda mais os investidores incluindo outras alternativas para escolha de alocação que combinam renda fixa com ações, usam formas de alavancagem e acessam mercados em diferentes países ao mesmo tempo. Os hedge funds, fundos multimercado no Brasil, cumprem esse papel e apimentam a relação de rivalidade entre classes de ativos. Eles enfrentam ainda ativos alternativos ilíquidos na disputa por uma parcela das carteiras.

🎾 📈 Tanto no tênis quanto no mercado, a supremacia de performance varia em ciclos. Diversificar entre as diversas classes é quase tão benéfico quanto o prazer em assistir à variação de campeões e campeãs enfrentando-se em quadra. No clico pós-Covid, taxas de juros mais altas em todo mundo são incluídas nos modelos de todos os analistas, e os fãs de tênis assistem a jovens como Carlos Alcaraz & Jannik Sinner & Holger Ruhne e Iga Swiatek & Aryna Zabalenka começarem a desenhar o que podem ser as rivalidades históricas das próximas décadas.

Dicas:

🎾 7 Greatest Rivalries In Tennis History

📈 Dados de Equity Risk Premium para Brasil, FGV, EESP

💬 O que achou deste conteúdo?

Deixe seu comentário aqui e ajude a construir um TenisVesting cada vez melhor!