Itaú Blog

Top 10

TenisVesting: entenda como chegar na alíquota de 10% de IR na previdência privada com ajuda da trajetória profissional da Bia Haddad

Foto do Autor

Andrea Masagão Moufarrege, Team Leader - Investment Funds Specialists

• 4 minutos de leitura

Crédito: Shutterstock

Há anos, ela treina religiosamente às terças-feiras das 7h às 8h com o Prof. Cícero. Suas filhas, Laís, Elaine e Telma, seu genro Ayrton e suas netas eventualmente a acompanham. Eu sou testemunha de sua assiduidade, pois tenho a sorte de estar na quadra ao lado toda semana.

Esta é a Dra. Arlete Haddad, a avó Miminha, para quem a Bia Haddad dedicou sua vitória nas quartas de final de Roland Garros contra a Ons Jabeur em junho de 2023. Ela é incrível. Foi inspiração e incentivadora eterna da Bia e me inspira hoje a escrever esse texto.

------

Chegar bem aos 89 anos exige planejamento e disciplina. Investir bem e usufruir dos benefícios dos juros compostos, diferimento fiscal e menores alíquotas de imposto também. Essa oportunidade no Brasil é oferecida por meio de investimentos feitos via fundos de previdência. Os planos de previdência podem ser contratados nas modalidades PGBL ou VGBL, que se diferem em função da base de tributação.

Como no PGBL, o participante pode usar o valor investido para abater em seu IR até 12% da renda anual tributável. No momento do resgate, deve pagar o IR sobre o todo. Já no VGBL, como esse abatimento fiscal não se aplica, o participante paga somente no resgate sobre o rendimento. Em ambos os casos, o participante do plano precisa optar por um regime de tributação, com alíquotas regressivas (decrescentes) ou progressivas (crescentes).

Investimentos feitos em fundos de previdência via planos VGBL, na modalidade de tributação regressiva, oferecem, por exemplo, a possibilidade de usufruir da menor alíquota de imposto de renda em investimentos tributados, chegando a 10% após 10 anos de investimento.

A regulamentação de investimentos em previdência evoluiu muito nos últimos anos e possibilita hoje acesso às mais diversas classes de ativos e a gestores profissionais. Suas regras, no entanto, são complexas. Para nos ajudar entender e lembrar como chegar nos 10% de IR vamos ter a ajuda da trajetória de carreira da Bia Haddad.

Para chegar da alíquota de 35% até a de 10% sobre a renda, seis períodos precisam ser vencidos. Quase como a contagem de um set até 6 games. Vamos dividir a carreira da Bia de 2001 até 2023 em seis partes para marcar bem cada uma dessas fases.

------

📈 até 2 anos investidos: 35% de IR em resgates (25% em caso de falecimento);

🎾 de 2001 a 2010: a Bia Haddad nasceu em 30/05/96, começou a jogar tênis com 5 anos e teve infância marcada pelo convívio familiar esportivo e saudável.

------

📈 de 2 a 4 anos investidos: 30% de IR em resgates (25% em caso de falecimento);

🎾 de 2011 a 2014: aos 14 anos, ela pediu para os pais para se mudar para Balneário Camburiú para treinar e viver na academia de Larri Passos, treinador que consagrou Gustavo Kuerten como o maior tenista brasileiro de todos os tempos. Aos 18 anos, decidiu tornar-se tenista profissional.

------

📈 de 4 a 6 anos investidos: 25% de IR em resgates;

🎾 de 2015 a 2016: iniciou a carreira profissional tendo oportunidade de receber ‘wild cards’ para jogar no Rio Open e no Miami Open.

------

📈 De 6 a 8 anos investidos: 20% de IR sobre resgates;

🎾 de 2016 a 2017: entrou no seleto grupo das 100 melhores do mundo após vencer o Cagnes-sur-Mer Open na França e teve destaque pela primeira vez em um torneio da WTA Tour-level no Korean Open, perdendo apenas na final para Jelena Ostapenko.

------

📈 de 8 a 10 anos investidos: 15% de IR sobre resgates;

🎾 de 2018–2020: período mais difícil de sua carreira em que enfrentou lesões nas costas e no pulso que exigiram cirurgias e tratamentos que foram seguidos por uma suspensão por doping, que a deixou fora das quadras por mais de 10 meses e ranking inferior às 300 melhores do mundo.

------

📈 Acima de 10 anos investidos: 10% de IR sobre resgates;

🎾 depois de 2020: começou a treinar com Rafael Paciaroni no final da pandemia e iniciou o ciclo vencedor retornando as top 100. Com a cazaque Anelina Danilina, venceu em dupla o WTA 500 Sidney International e chegou à final no Grand Slam Australian Open em 2021. Venceu Maria Sakkari, 3ª do mundo época, no Miami Open. Entrou para as top 50 após vencer o WTA 125 Saint-Malo Open na França e para as top 30 depois das vitórias nos WTA 250 Nottingham Open e Birmingham Classic Open na Inglaterra. Ao final de 2022, recebeu o prêmio da tenista com a melhor evolução no ano pela WTA.

Em fevereiro de 2023, atingiu o ranking de 12º melhor após vencer Elena Ribakina no WTA 500 em AbuDabi e chegou ao top 10 em duplas depois de ganhar o torneio de Indian Wells em parceria com a alemã Laura Siegmund e o Madrid Open com a bielorussa Victoria Azarenka;

Em junho de 2023, fez história no tênis feminino brasileiro ao vencer Ons Jabeur (Top 4) nas quartas de finais no Grand Slam Roland Garros, perdendo na semifinal da campeã do torneio e primeira do mundo, Iga Swiatek.

Em 12/06/23 rompeu a barreira das top 10 no ranking de simples da WTA.

------

📈 🎾 Deste momento para frente, tanto nos investimentos em previdência quanto na carreira da Bia, os bons resultados tendem a convergir pois as condições são mais favoráveis.

------

Mas, assim como a Dra. Arlete, ela vai continuar se dedicando com afinco e disciplina para manter a trajetória e escrever mais capítulos da sua história, que já conta com todo o nosso orgulho e certamente continuará a contar com toda nossa torcida.

------

Dicas:

🎾Ons Jabeur vs Beatriz H. Maia — Quarterfinals-Roland Garros 2023

📈 Previdência : sua aliada nos investimentos e na sucessão patrimonial

Play! 🎾

💬 O que achou deste conteúdo?

Deixe seu comentário aqui e ajude a construir um TenisVesting cada vez melhor!