Itaú Blog

Vídeo mensal: atualizações do cenário macro para dezembro

Confira os principais pontos abordados na live que teve a participação de Nicholas McCarthy, CIO do Itaú, e Marcos Della Manna, Head de Sales Ultra High

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Aconteceu na quinta-feira, 15, uma live exclusiva para os nossos clientes sobre os cenários macroeconômicos, tanto local quanto internacional, com Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer do Itaú, moderada por Marcos Della Manna, nosso Head de Sales Ultra High.

Veja, a seguir, os principais destaques do bate-papo.

Cenário internacional

  • O final de 2023 está sendo marcado por um rali nos mercados, movimento que começou após o Payroll, relatório de folha de pagamento dos EUA, de novembro, que veio mais fraco do que o esperado e confirmou a lenta desaceleração da economia;
  • Agora em dezembro, o Federal Reserve (Fed, banco central americano) sinalizou que, com a inflação em queda, PIB desacelerando e mercado de trabalho desaquecendo, prevê três cortes de juros em 2024;
  • Se a inflação desacelerar mais rápido em direção à meta de 2%, há chances de cortes maiores do que os já precificados;
  • Estamos otimistas com o portfólio internacional. Ativos estão se comportando bem e o cenário deve ser positivo para 2024;
  • Nossa carteira tem uma alocação que privilegia a renda fixa e estamos construtivos com títulos com grau de investimento (Investment Grade) com duration longa;
  • Após um ano com performance acima da média, a previsão é que a bolsa americana tenha ganhos menores em 2024, a depender do grau de desaceleração da economia americana e da velocidade de corte de juros;
  • Seguimos acreditando no processo de desvalorização do dólar, que deve favorecer as bolsas de países emergentes;
  • Esse processo de queda da moeda americana poderia ser afetado por uma recessão no país, mas acreditamos que há pouca chance de isso acontecer;
  • Risco para 2024 seria de um possível choque, como uma escalada geopolítica, que subiria o preço do petróleo e faria a inflação voltar a acelerar.

Cenário local

  • Seguimos construtivos com os ativos brasileiros para 2024;
  • O Banco Central foi um dos primeiros a subir os juros e a começar a reduzir a Selic. Acreditamos que há espaço para mais cortes ao longo do próximo ano;
  • Expectativa é que os ativos brasileiros se beneficiem desse processo;
  • Estamos otimistas com títulos indexados ao IPCA de prazo longo, que capturam um corte de juros mais estrutural;
  • A bolsa do Brasil está mais bem-posicionada do que de outros emergentes, e acreditamos que estrangeiros podem aumentar a alocação nessa classe.
  • Além do processo de queda de juros, a economia está crescendo e a balança comercial deve fechar o ano no maior nível da história, sem problema de câmbio e com reservas robustas. São pontos positivos para a performance da bolsa;
  • Dessa forma, apesar da valorização, ainda há oportunidade de entrada na bolsa.

A seguir, assista a um trecho da live.

Para assistir a live completa, fale com sua equipe de atendimento.

Voltamos com as nossas lives em 2024! Boas festas!

Leia também

O que podemos esperar para o Real em 2024?

Neste artigo, nos aprofundamos na sensibilidade da taxa de câmbio ao diferencial de j [...]

Fed mantém juros e projeta taxas mais baixas para 2024

No Radar do Mercado: na reunião de hoje, o banco central americano decidiu manter o n [...]

Política monetária em foco pelo mundo

Economia e Mercados: em meio a divulgação de várias decisões nesta semana, a maior su [...]