Ata do Fed: juros altos por mais tempo

No Radar do Mercado: a ata da última reunião do Federal Reserve manteve tom duro e apontou que membros mostraram disposição a aumentar mais os juros

Por Itaú Private Bank

2 minutos de leitura

O Federal Reserve (Fed, banco central americano) divulgou a ata de sua última reunião de política monetária, quando a autoridade manteve os juros no intervalo de 5,25% a 5,50% ao ano pela sexta reunião consecutiva.

De maneira geral, o documento manteve o tom mais duro que observamos quando houve a comunicação oficial da decisão. Um dos destaques foi que, embora os participantes avaliassem naquele momento que a política monetária estava "bem-posicionada", vários mostraram disposição a restringir ainda mais, se necessário.

Os membros avaliaram as leituras de inflação ao longo do primeiro trimestre decepcionaram e concluíram que levará mais tempo do que o previsto anteriormente para terem maior confiança de que a inflação caminha de forma sustentável em direção à meta de 2%.

Também houve discussões sobre o grau de restrição das condições financeiras atuais e, caso ainda não estejam suficientemente restritivas, quais seriam os riscos para a demanda agregada e a inflação. Por fim, os membros reiteraram a visão dependente da evolução dos dados e do balanço de riscos para a definição dos próximos passos.

A ata reforça nosso cenário de que o Fed ainda demorará para cortar os juros, o que ocorrerá, se tudo der certo, no final do ano. Para isso, será preciso uma inflação mais bem comportada nos próximos meses, o que dará conforto à autoridade monetária de que a variação dos preços caminhará para a meta de 2% no médio prazo.

💬 O que achou deste conteúdo?

Leia também

Leia também

Nossa recomendação de investimentos de abril

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise do cenári [...]

Resultados das Big Techs e a volatilidade no mercado de veículos elétricos

Tech Trends: enquanto empresas como Meta e Microsoft tiveram resultados mistos, a Tes [...]

A Selic pode voltar a subir nos próximos 12 meses?

Neste artigo, analisamos os motivos que explicam essa precificação e como isso se ref [...]