Itaú Blog

Fed eleva novamente juros em 0,75 p.p.

No Radar do Mercado: além da alta nas taxas de juros, comitê divulgou suas projeções atualizadas com inflação e juros mais elevados

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Getty Images

Em linha com as expectativas do mercado, o Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) do Federal Reserve promoveu mais uma alta de 75 pontos-base nos juros dos Estados Unidos, com a taxa passando para um intervalo de 3% a 3,25% ao ano. A decisão resultou no quinto aumento consecutivo feito pelo Fed neste ano e o terceiro desta magnitude.

O comitê reforçou o compromisso de devolver a inflação à meta de 2% e que antevê aumentos contínuos para as próximas reuniões. O ritmo de alta vai depender da divulgação de dados econômicos. Além disso, a autoridade monetária destacou que está preparada para ajustar a orientação da política monetária, se necessário, e que seguirá com a redução de seu balanço patrimonial.

Projeções para inflação e juros sobem

O Fed também divulgou suas projeções atualizadas para os principais indicadores econômicos, que foram revisados em uma direção mais pessimista.

De maneira geral, o Fed reduziu a projeção do Produto Interno Bruto (PIB) deste e dos próximos anos, abaixo da tendência de longo prazo, mas sem apontar recessão. A projeção para a inflação foi revisada para cima e indica que ela deve convergir para patamar mais próximo de 2% apenas em 2025.

As estimativas para os juros também foram elevadas ao longo de todo o período analisado e indicaram que as autoridades esperam de 100 a 125 pontos-base de alta até o final desde ano, o que significaria mais uma alta de 50 (ou 75) pontos-base em novembro e outra de 50 em dezembro. Além disso, sugerem que cortes nas taxas devem acontecer apenas em 2024. Os membros do Fed continuam projetando juros de longo prazo próximos de 2,5%. Assim, as estimativas de juro real subiram no horizonte analisado.

Na coletiva após a reunião do comitê, o presidente do Fed, Jerome Powell, afirmou que a mensagem principal do comitê não mudou desde o seu discurso em Jackson Hole, quando falou que para controlar a inflação o comitê deve continuar elevando os juros até chegar a um nível suficientemente restritivo. Também disse que as chances de um soft landing provavelmente diminuirão conforme os juros entram em patamar mais restritivo.

Nossa expectativa é de que os juros básicos cheguem a 4,4% e 4,9% em 2022 e 2023, respectivamente.

O que achou deste conteúdo?