PIB brasileiro cresce 0,8% no primeiro trimestre

No Radar do Mercado: o forte crescimento do PIB brasileiro nos três primeiros meses do ano veio ligeiramente acima das projeções do mercado

Por Itaú Private Bank

2 minutos de leitura

No primeiro trimestre de 2024, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil registrou crescimento de 0,8% em relação ao trimestre anterior, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio ligeiramente acima da nossa expectativa e do mercado (ambas em 0,7%). Na comparação anual, o crescimento foi de 2,5%.

Pela ótica da oferta, os setores de serviços e agricultura se destacaram positivamente. O setor industrial, por sua vez, recuou na margem, contribuindo negativamente para o indicador.

Já pela ótica da demanda, os destaques positivos ficaram com o consumo das famílias e com investimentos. O consumo das famílias cresceu sustentado por um mercado trabalho resiliente e pelo aumento da renda (devido aos pagamentos extras de precatórios, combinados com o aumento dos benefícios sociais vinculados ao salário-mínimo), bem como por um ambiente mais positivo para o crédito. A formação bruta de capital fixo também avançou, em um contexto de queda de juros e de importações elevadas de bens de capital.

Nossa visão: a leitura veio próxima da nossa expectativa, com o consumo resiliente e recuperação nos investimentos. O aumento na renda combinado com a queda nas taxas de juros contribuiu para o forte crescimento do PIB brasileiro nos três primeiros meses do ano. Nossa projeção para o crescimento do PIB de 2024 está em 2,3%, mas ainda não incorporamos os efeitos das enchentes no Rio Grande do Sul, o que leva a um viés de baixa para a projeção do próximo trimestre.

💬 O que achou deste conteúdo?

Leia também

Leia também

Nossa recomendação de investimentos de abril

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise do cenári [...]

Resultados das Big Techs e a volatilidade no mercado de veículos elétricos

Tech Trends: enquanto empresas como Meta e Microsoft tiveram resultados mistos, a Tes [...]

A Selic pode voltar a subir nos próximos 12 meses?

Neste artigo, analisamos os motivos que explicam essa precificação e como isso se ref [...]