Itaú Blog

Liderança transformacional: Descubra como adotar em 6 passos!

Foto do Autor

Itaú Empresas

• 10 minutos de leitura

Uma boa liderança é crucial para o crescimento de uma empresa, seja qual for seu porte ou segmento. Há algum tempo, tínhamos apenas a figura do chefe, que delegava funções aos colaboradores e cobrava resultados.

Atualmente, o líder é quem realmente faz a diferença no negócio. Afinal, ele incentiva, inspira e motiva os colaboradores, buscando junto à equipe atingir os melhores resultados e impulsionar a empresa.

Nesse contexto, encontramos dois estilos de gestão: liderança transformacional e transacional. Ao longo do post, você vai entender a diferença entre elas, como implementar o estilo transformacional e quais as principais vantagens de aplicá-lo. Confira!

O que é liderança transformacional?

Um líder comprometido exerce a sua responsabilidade de forma democrática e inspiradora, servindo como exemplo para a equipe e motivando seus membros a entregarem o seu melhor dia após dia. Além disso, esse profissional permanece próximo ao time e preza pela comunicação e pela troca de experiências e conhecimentos.

Há formas diferentes de exercer a liderança. Uma delas é a maneira transformacional. O conceito surgiu na década de 1970 e defende que um líder trabalhe em conjunto com a equipe para identificar as mudanças necessárias para o bem coletivo.

Kames MacGregor Burns, idealizador da liderança transformacional, explicou que os líderes e seus times ajudam uns aos outros a alcançar um nível mais alto de motivação e de moral. Para isso, a gerência deve conquistar a confiança e o respeito da equipe.

A liderança transformacional também é conhecida como 4 Is, sendo que seus princípios são:

  • consideração individualizada;
  • estímulo intelectual;
  • motivação inspiradora;
  • influência idealizada.

Então, o gestor transformacional cria uma conexão com seus liderados, o que aumenta a motivação de todos. Além disso, os colaboradores têm autonomia para tomarem decisões sobre suas tarefas diárias, pois receberam treinamento e capacitação para exercê-las da melhor forma.

Qual a diferença entre liderança transformacional e transacional?

A liderança transacional é considerada uma forma mais tradicional de gerir um negócio. Isso porque, enquanto o estilo transformacional tem uma nuance mais humanizada e busca criar uma conexão para inspirar os liderados pelo exemplo, a transacional mantém seu foco nos resultados entregues.

Desse modo, um líder transacional não se preocupa em ser um bom exemplo para a equipe nem em criar uma conexão com ela. Por isso, normalmente há uma grande pressão por resultados e uma enorme preocupação em seguir os métodos à risca, não em identificar em que pontos pode haver mudanças.

Vale lembrar que os membros da equipe não têm autonomia para tomarem decisões e devem obedecer rigidamente às regras colocadas. Assim, há menos espaço para inovação e para que os liderados exerçam sua criatividade na resolução de problemas ou na implementação de mudanças que julgarem necessárias.

No entanto, não é correto dizer que a liderança transacional é errada. Afinal, há situações em que ela é a mais indicada, como no caso de equipes inexperientes ou cujos processos precisam seguir um padrão rígido, pois qualquer falha pode oferecer riscos.

Quais são as vantagens da liderança transformacional?

Esse modo de gerir equipes traz diversos benefícios para a empresa. Os principais são:

  • líder e equipe permanecem unidos em prol de uma causa comum que leva à expansão da empresa e ao desenvolvimento individual;
  • os liderados são vistos como indivíduos e há grande incentivo para que suas habilidades únicas sejam utilizadas com eficácia;
  • todos têm autonomia;
  • o líder utiliza orientação e encorajamento para empoderar a equipe.

Quais as competências para implementar esse tipo de liderança?

Quem quer se tornar um líder transformacional precisa desenvolver algumas habilidades. São elas:

  • atuar com integridade, ética, moral e com base em valores;
  • definir e alinhar expectativas, objetivos e prioridades;
  • promover o desenvolvimento dos colaboradores, dando autonomia e estimulando a autoconfiança de cada um;
  • incentivar a cooperação e autenticidade dos liderados, criando um clima de trabalho leve e aberto à troca de ideias e experiências;
  • ter empatia e se preocupar com o bem-estar emocional dos membros da equipe;
  • orientar os liderados em busca de um bem comum;
  • encorajar os colaboradores a explorarem todo o seu potencial para que atinjam um alto grau de desempenho.

Como implementar a liderança transformacional?

Não é difícil adotar esse tipo de liderança em sua empresa. Para aplicá-la da melhor forma, basta seguir o passo a passo abaixo:

  1. estimule a cooperação — ao estimular a participação de todos, cada colaborador faz o seu melhor e as habilidades se complementam. Quando a sinergia acontece, todas as atividades fluem melhor e o resultado é maior que a soma individual;
  2. elimine o controle — confie mais em sua equipe. Quando há confiança, a tendência é que os liderados se sintam mais responsáveis pela execução de suas tarefas, fazendo com que tenham um engajamento maior e mais comprometimento;
  3. priorize a intuição acima do racional — um líder já tem em mente grande parte das informações das quais precisa para tomar decisões. Ficar refletindo sobre a lógica ou procurando um processo racional é perda de tempo e é uma característica da liderança transacional, oposta à transformacional;
  4. desenvolva a equipe — com empatia, indique aos liderados os pontos que precisam melhorar. O mesmo serve para reforçar as qualidades e as tarefas bem executadas. Então, acompanhe o desenvolvimento de todos, estabeleça a cultura do feedback e, ainda, promova treinamento e capacitação;
  5. mantenha a equipe motivada — colaboradores motivados se dedicam mais às suas tarefas, são mais produtivos e buscam constantemente por aprimoramento. Além disso, incentivam os colegas e contribuem para que todos tenham êxito.
  6. crie conexões — a admiração e o respeito entre líder e liderados criam vínculos fortes, promovendo o apoio mútuo e a cooperação. Logo, o resultado é um ambiente saudável e prazeroso para se trabalhar.

Como você viu, a liderança transformacional é uma excelente opção para grande parte das empresas. Afinal, quando há a colaboração de todos, fica mais fácil identificar falhas e oportunidades. Desse modo, o ambiente de trabalho torna-se agradável e promove o desenvolvimento profissional individual e coletivo.

Quer saber mais sobre o assunto? Então, aproveite a visita no blog e entenda como desenvolver a atitude de líder!