Inflação avança nos EUA e desacelera no Brasil

No Radar do Mercado: enquanto o IPCA desacelerou, a inflação americana surpreendeu o mercado por seguir pressionada

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Inflação sobe mais do que o esperado nos EUA

O índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 0,4% em março, acima das expectativas (0,3%), mas mantendo o ritmo de fevereiro. Em 12 meses, a inflação acelerou para 3,5%, acima da leitura anterior (3,2%) e do esperado (em 3,4%).

O núcleo do indicador, que desconsidera os itens mais voláteis, como alimentos e energia, também manteve o ritmo do mês anterior, em 0,4%, e acima das projeções do mercado (0,3%). Na comparação interanual, o núcleo seguiu em 3,8%, surpreendendo para cima a expectativa de uma desaceleração (3,7%).

A composição da inflação continua mostrando a persistência dos preços de serviços, enquanto o núcleo de bens segue contribuindo negativamente. Já o supercore (núcleo de serviços que exclui a maior parte do componente de habitação), medida já citada pelo Federal Reserve, acelerou para 0,65% no mês e 4,8% em 12 meses.

Nossa visão: além da surpresa de alta na leitura de hoje, a composição segue menos favorável, com a aceleração do componente de serviços. A combinação de dados de mercado de trabalho e inflação resilientes posterga as expectativas para um início de corte de juros nos EUA.


IPCA varia 0,16% em março, com melhora qualitativa

O IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março, que subiu 0,16% no mês, abaixo da expectativa do mercado (0,25%). O acumulado em 12 meses ficou em 3,93%, o abaixo dos 4,50% observados no período imediatamente anterior.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis tiveram alta no mês. A maior variação e o maior impacto vieram de Alimentação e Bebidas. Na sequência, destaca-se a alta de Saúde e cuidados pessoais. No campo negativo, o grupo de Transportes registrou a principal queda.

Na média móvel de três meses, com ajuste sazonal e anualizado, os serviços subjacentes e industriais subjacentes ficaram estáveis. Na mesma métrica, a média dos núcleos desacelerou para 3,5%.

Nossa visão: o IPCA de março veio abaixo do esperado e acompanhado de uma abertura mais benigna. O qualitativo dessa divulgação, ao contrário das anteriores, foi melhor do que o esperado, com surpresas baixistas em serviços subjacentes e industriais subjacentes. Para 2024, seguimos projetando IPCA de 3,6%.

💬 O que achou deste conteúdo?

Leia também

Leia também

Nossa recomendação de investimentos de março

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise do cenári [...]

As histórias do Miami Open e do mercado de títulos de crédito privado no Brasil

TenisVesting: Miami Open e mercado de crédito privado brasileiro conquistam, respecti [...]

Copom: diante das incertezas, mudança nos próximos passos

No Radar do Mercado: o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu [...]