Itaú Blog

IPCA-15 sobe 0,21%; PIB americano do 3º tri surpreende

No Radar do Mercado: enquanto o IPCA-15 e a decisão de política monetária do BCE vieram em linha com as expectativas, o PIB americano surpreendeu o mercado

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

IPCA-15 sobe 0,21% em outubro

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) de outubro subiu 0,21% no mês, abaixo da leitura de setembro (0,35%) e praticamente em linha com as expectativas do mercado (0,20%). O acumulado em 12 meses atingiu 5,05%, acima dos 5,00% registrados no período imediatamente anterior.  

Sete dos nove grupos pesquisados tiveram alta no mês. Pelo segundo mês consecutivo, o maior impacto e a maior variação vieram de Transportes. Por outro lado, Alimentação e bebidas caíram pelo quinto mês consecutivo, influenciados pelo recuo nos preços da alimentação no domicílio.  

As medidas de núcleo da inflação, que apresentam maior relação com o ciclo econômico, seguem em desaceleração gradual. O índice de difusão (que mede o percentual de itens com aumento dos preços) apresentou alta na margem, mas segue em trajetória favorável, indicando inflação menos disseminada ao longo dos últimos meses.  

Em geral, a composição da inflação ao consumidor permanece benigna e reforça o cenário de desinflação gradual à frente. Seguimos com a nossa projeção para o IPCA de 2023 em 4,9%. 

PIB americano cresce 4,9% no terceiro trimestre de 2023

O Escritório de Análise Econômica (BEA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos divulgou a primeira estimativa do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre de 2023. No período, o indicador avançou 4,9% na comparação trimestral, em termos anualizados, acima das projeções do mercado, que eram de um crescimento menos intenso, de 4,5%. Além disso, houve uma aceleração em relação ao crescimento no trimestre imediatamente anterior (2,1%). 

O resultado refletiu, principalmente, a alta nos gastos dos consumidores, tanto em serviços quanto em bens. Ainda que seja a primeira leitura, feita com base em dados incompletos e os números ainda estejam sujeitos à revisão, a divulgação confirma as expectativas de um PIB forte no terceiro trimestre, ainda sem sinais de desaceleração econômica. Agora, as atenções se voltam para a divulgação da inflação mensurada pelo Índice de Preços das Despesas de Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês), que acontece amanhã. 

Banco Central Europeu (BCE) mantém juros inalterados

O Banco Central Europeu (BCE) decidiu manter as taxas de juros inalteradas, em linha com as expectativas do mercado. Com isso, a taxa de refinanciamento permanece em 4,50%, a de depósitos em 4,00% e a de empréstimos em 4,75%.  

Segundo o comunicado, as autoridades avaliam que, apesar da pressão sobre os preços seguir em patamar alto, a inflação arrefeceu consideravelmente em setembro. A expectativa do BCE é que as taxas permaneçam em nível elevado por período prolongado, e que sua manutenção por tempo suficientemente longo traga a inflação para a meta no longo prazo.  

Assim, o BCE reforçou que as futuras decisões irão assegurar que as taxas fiquem em níveis suficientemente restritivos durante o tempo que for necessário e que as próximas decisões seguirão uma abordagem dependente dos dados, conforme a avaliação da dinâmica da inflação e dos dados econômicos e financeiros. 

💬 O que achou deste conteúdo?

Nossa recomendação de investimentos de outubro | Private Insights

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise de cenári [...]

Governo chinês aprova estímulos fiscais; confiança empresarial da Alemanha mostra recuperação

No Radar do Mercado: Governo chinês anuncia estímulos destinados para a recuperação d [...]

Dados de atividade empresarial na zona do euro recuam em outubro

No Radar do Mercado: PMIs da zona do euro seguem em território contracionista. Result [...]