Itaú Blog

Relatório Focus: mudança na projeção do IPCA

No Radar do Mercado: nova edição do Relatório Focus apontou uma queda na projeção de inflação; já na China, as metas econômicas anunciadas para 2024 vêm em linha com as expectativas

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 2 minutos de leitura

Focus: mudança na projeção do IPCA

O Banco Central divulgou hoje mais uma edição do Relatório Focus. O destaque ficou por conta da revisão baixista para a inflação.

Na comparação com a semana anterior, a mediana das estimativas do IPCA teve uma leve queda para 2024, agora em 3,76%. A projeção seguiu inalterada para 2025, em 3,51%, e para 2026, em 3,50%. Vale lembrar que a meta do Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.    

Com relação à atividade econômica, as estimativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) subiram para 2024 (agora, em 1,77%) e permaneceram estáveis para 2025 e 2026, em 2,0% para ambos os anos.

No âmbito da política monetária, as projeções para a taxa Selic permaneceram inalteradas em todo período analisado, mantendo-se em 9,0% para 2024 e em 8,50% para 2025 e 2026.Por fim, a estimativa para a taxa de câmbio permaneceu sem mudanças para 2024 (a R$/US$ 4,93), 2025 (a R$/US$ 5,00) e 2026 (a R$/US$ 5,04).

China divulga metas econômicas para 2024

Na China, teve início essa semana o Congresso Nacional do Povo (NPC, na sigla em inglês), que apresentou as metas econômicas para o ano. No geral, os objetivos vieram alinhados com as expectativas do mercado, sem grandes mudanças em relação ao ano anterior para métricas importantes, como crescimento do PIB ao redor de 5%, teto da inflação a 3%, e taxa de desemprego a 5,5%.

Na parte fiscal, é previsto um déficit de 3%, com o adicional de títulos especiais do governo central, que configura 0,8% do PIB. O Premier Li Qiang mencionou que o estímulo fiscal será uma tendência contínua. No âmbito monetário, a política seguirá acomodativa, com expectativa de cortes de juros ao longo dos próximos meses.

Outras pautas mencionadas no NPC foram a necessidade do fortalecimento do mercado de capitais chinês, a questão ambiental, com foco em diminuição do consumo energético, a melhora do ambiente pró-negócios para o âmbito privado, e a questão da transição demográfica.

Em suma, o Congresso atendeu às expectativas, mesmo que a meta de crescimento econômico seja bastante desafiadora e demande medidas adicionais de estímulo por parte do governo para ser atingida.Além disso, foi divulgado o resultado de fevereiro do índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços pela Caixin, que recuou de 52,7 para 52,5, ainda em patamar expansionista. Vale lembrar que essa pesquisa é privada e o seu índice vem em direção contrária do indicador oficial do NBS, cujo PMI de serviços teve alta em razão do feriado do Ano Novo Lunar.

💬 O que achou deste conteúdo?

Leia também

Leia também

Taxa de desemprego cai no Brasil; núcleo do PCE acelera nos EUA

No Radar do Mercado: a taxa de desemprego brasileira recuou em janeiro; nos EUA, a in [...]

Vídeo: nossas atualizações do cenário macro para fevereiro

Confira os destaques do bate-papo com Gina Baccelli, Rodrigo Lopes e Humberto Vignatt [...]

IGP-M registra deflação em fevereiro

No Radar do Mercado: o IGP-M de fevereiro recuou 0,53%, próximo das expectativas; nos [...]