Itaú Blog

Perspectivas 2024: destaques do painel de renda variável

Confira um resumo do painel “Renda variável: o que esperar para o mercado de ações?”, que aconteceu no evento Perspectivas 2024

Foto do Autor

Itaú Asset

• 6 minutos de leitura

Crédito: Cauê Diniz

Realizamos na terça-feira, 5 de dezembro, o evento Perspectivas 2024, encontro anual em que os nossos gestores discutem insights, expectativas macroeconômicas e as principais oportunidades e desafios para o mercado de investimentos no próximo ano.

O terceiro painel do evento, “Renda variável: o que esperar para o mercado de ações?”, foi moderado por Leticia Biller, Head Distribuição Varejo Itaú Asset, e reuniu os gestores Luiz Ribeiro, Rodrigo Koch e Bruno Savaris.

Abaixo, confira um resumo dos destaques da conversa:

Rodrigo Koch, Família de fundos Optimus

  • Apesar da melhora e da volatilidade mais baixa nos mercados, os investidores ainda não estão sendo bem remunerados para correr os riscos de um cenário ainda de incertezas.
  • Enxerga mais valor nas empresas mid caps americanas, em companhias do setor de energia e utilities europeias, cuja assimetria é mais positiva.
  • Na China, os estímulos do governo para o mercado de commodities implicam em uma demanda adicional nos próximos meses. O governo precisa sinalizar para o mercado que deseja se abrir cada vez mais ou as perspectivas para a bolsa vão seguir limitadas.
  • Tirando a China, cenário parece positivo para ativos de emergentes, incluindo o Brasil. Vê assimetrias positivas a serem exploradas nos próximos meses.
  • No caso do Brasil, a bolsa tem profundidade, liquidez, múltiplos baratos, mercado de capitais desenvolvido, o que é bem positivo para o desempenho do Ibovespa.
  • Seu foco atual é em bolsas de emergentes, além de posição comprada em Brasil. Em setores, está comprados em petróleo, utilities, transportes e bancos.

Bruno Savaris,  Família de fundos Hunter

  • Apesar do desempenho agora estar positivo, o ano foi de muita volatilidade;
  • Nos EUA, as sete maiores empresas de tecnologia representaram 95% da alta do índice. No Brasil, a maior contribuição para o bovespa veio de Petrobras e Banco do Brasil, que representam apenas 15% do índice, portanto, muito concentrado;
  • Provável cenário de soft landing deve ser positivo para ativos de risco;
  • Visão construtiva para emergentes e Brasil (CDI + 5% para Ibovespa em 2024, algo como 140 mil pontos, mas vemos ações com assimetria de CDI + 30%);
  • Assimetria é menor depois do forte desempenho de novembro, mas ainda é boa para investir em bolsa com seletividade;
  • Está construtivo com para setores defensivos, como utilities, varejo alimentar e shoppings. Tem preferência pelo setor de bens de capital, cujas empresas melhoraram parque fabril e perfil de retorno, causando uma revisão expressiva de estimativas ao longo de 2023.

Luiz Ribeiro, Família de fundos Asgard

  • Cenário para 2023 não era positivo, mas ativos de risco performaram bem. À frente, a visão é mais otimista, com cenário favorável de soft landing
  • Concorda que a conjuntura é boa para Brasil e mercados emergentes, que negociam com desconto enorme vs. mercado americano e desenvolvidos.
  • Acredita no potencial das commodities, mas de maneira seletiva, principalmente na área de metais, com cobre e até o minério de ferro.
  • Emergentes negociam com desconto grande vs. desenvolvidos. Se houver soft landing, emergentes devem performar bem. Se os desenvolvidos subirem, os emergentes podem subir ainda mais dado o aspecto de valuation descontado.
  • Setor de tecnologia continua tendo uma parte relevante da carteira. Tem preferência por bancos do Brasil e do México, além do setor de utilities.

Perspectivas para o petróleo e setor de tecnologia

  • Segundo Koch, a surpresa em 2023 foi do lado da oferta. À frente, mercado deve ficar balanceado em oferta e demanda. Preço base deve ter alguma variação, mas sem grandes tendências para cima ou para baixo. Tem preferência por empresas que geram mais caixa.
  • Savaris também vê um cenário em que o preço do petróleo segue controlado e tem exposição no setor, principalmente para capturar dividendos;

Conheça mais sobre os fundos da família:

Hunter

Asgard

Optimus Long Bias

Antes de investir, verifique se o produto é adequado ao seu perfil de investimento.

Leia também

Leia também

Perspectivas 2024: destaques do painel de crédito e renda fixa

Confira um resumo do painel “crédito e renda fixa: um olhar frente às expectativas, s [...]

Perspectivas 2024: destaques do cenário econômico e fundos multimercado

Confira um resumo do painel “Cenário econômico e fundos multimercado: desafios e opor [...]

Pílula de ETF: O impacto dos investidores estrangeiros na bolsa brasileira

Depois de 3 meses com registros de saída de fluxo de investidores estrangeiros, novem [...]