Itaú Blog

Copom destaca risco fiscal; IPCA vem abaixo do esperado

Economia e mercados: Copom destacou a importância de avaliar os desenvolvimentos futuros da política fiscal; já o IPCA veio abaixo do esperado em novembro

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

A semana dos investidores foi marcada pela decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). A questão central não era mais sobre possíveis movimentos de taxa Selic, mas sim como as autoridades responderiam ao aumento de riscos fiscais. O recado foi que os desenvolvimentos futuros serão avaliados com atenção.

Já o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro veio abaixo do esperado. A composição do dado segue benigna e indicou que a inflação está menos disseminada na margem.

Confira, abaixo, mais detalhes dos fatores que impactaram os mercados nos últimos dias.

IPCA abaixo do esperado em novembro

O IPCA teve uma alta mensal de 0,41%, mas desacelerou frente ao registrado em outubro e veio abaixo das expectativas. Em 12 meses, o indicador desacelerou de 6,5% para 5,9%. Projetamos alta de 5,8% no IPCA em 2022, com viés de baixa após o anúncio recente de corte de preço de gasolina na refinaria e com a surpresa de baixa no dado divulgado hoje.

Leia na íntegra.

Na última reunião do ano, Copom mantém a taxa Selic

O Copom manteve a taxa Selic em 13,75% ao ano, conforme esperado. No comunicado, o comitê destacou que a incerteza atual exige uma avaliação atenta dos desenvolvimentos futuros da política fiscal, com ênfase aos preços dos ativos e às expectativas de inflação. Por enquanto, esperamos que os juros fiquem no nível atual durante maior parte de 2023.

Leia na íntegra.

Vendas no varejo crescem em outubro

O volume de vendas no varejo teve um incremento mensal de 0,4%. Na comparação anual, as vendas cresceram 2,7%. No comércio varejista ampliado, houve avanço de 0,5% m/m e 0,3% na a/a. De maneira geral, o varejo arrefeceu após forte resultado em setembro, em linha com nossa expectativa de desaceleração da economia no quarto trimestre do ano.

Leia na íntegra.

Após pico de casos, China afrouxa medidas contra a Covid

Os casos de Covid-19 na China seguem em altos níveis, mas recuaram em comparação aos patamares registrados nas últimas semanas. Após protestos contra a política de Covid zero, várias cidades começaram a afrouxar medidas de restrição. Além disso, o governo anunciou 10 novas medidas de flexibilização, adicionais às implementadas no início de novembro.

Leia na íntegra.

Inflação desacelera na China em novembro

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) da China avançou 1,6% na base anual, desacelerando em relação ao mês anterior e em linha com as projeções. A leitura e a demanda doméstica reprimida sugerem que as pressões desinflacionárias devem seguir no curto prazo. À frente, a dinâmica deve ser guiada pelo processo de reabertura da economia.

Leia na íntegra.