Itaú Blog

Inflação sobe pressionada por reajustes em cursos de educação

O IPCA-15 subiu 0,76% em fevereiro, acima do esperado pelo mercado; nos EUA, além da ata do Fed, houve a divulgação do PCE

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

O destaque na agenda local foi a divulgação do IPCA-15, que subiu além do esperado pelo mercado.

Nos EUA, a ata da última reunião do Federal Reserve já havia sinalizado uma preocupação das autoridades com a persistência da inflação quando o núcleo do PCE, uma das referências usadas pelo BC, também surpreendeu nesta semana.

O resultado reforça o recente movimento do mercado, elevando as expectativas por uma taxa de juros terminal mais alta, além de sua manutenção em patamar elevado por mais tempo.

Confira, abaixo, mais detalhes dos fatores que impactaram os mercados nos últimos dias.

Projeções do mercado para inflação continuam a subir

O Relatório Focus do Banco Central apontou novas altas nas expectativas de inflação. Quando comparada à semana anterior, a mediana das estimativas para o IPCA de 2023 subiu de 5,79% para 5,89%. A meta central é de 3,25%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para 2024, a projeção foi revisada de 4% para 4,02%, também acima do centro da meta de 3%. Para 2025, houve alta de 3,60% para 3,78%.

Leia na íntegra.

IPCA-15 sobe 0,76% em fevereiro, acima do esperado

O IPCA-15 registrou uma alta de 0,76% em fevereiro, acima do resultado anterior. Nos últimos 12 meses, o IPCA-15 acumulou alta de 5,63%. Nossa visão é que a leitura veio relativamente próxima do esperado -- apesar do índice ter vindo acima das expectativas, a composição foi mais favorável. Assim, o resultado não indica viés para o IPCA fechado de fevereiro ou para o ano de 2023. Projetamos 6,3% para o IPCA em 2023 e 4,2% em 2024.

Leia na íntegra.

Núcleo do PCE vem acima das expectativas nos EUA

O núcleo do Índice de Preços das Despesas de Consumo Pessoal (PCE, na sigla em inglês) dos Estados Unidos subiu 0,6% m/m e 4,6% a/a, acima dos resultados de dezembro. Para o indicador “cheio” do PCE, ou seja, que inclui os itens mais voláteis, houve alta de 0,6% m/m e 5,4% a/a. De maneira geral, a leitura veio acima das expectativas e surpreendeu pelas revisões de alta nos dados de dezembro, apontando uma inflação persistente no país.

Leia na íntegra.

Ata reforça preocupação do Fed com inflação

A ata da última reunião do Fed indicou um comitê mais preocupado com o risco de a inflação seguir elevada do que com a desaceleração da economia. Os riscos ascendentes para as perspectivas de inflação seguem como um fator-chave para moldar a política à frente. As autoridades também defenderam manter as taxas em território restritivo por algum tempo, até terem certeza de que a inflação está em um caminho sustentado em direção à meta de 2%.

Leia na íntegra.

Destaques da próxima semana 📅

Os investidores estarão atentos às divulgações do PIB do quarto trimestre de 2022 no Brasil e de inflação na zona do euro, que acontecem na quinta-feira. Nos EUA, o destaque fica por conta dos ISMs industrial e de serviços de fevereiro, que serão publicados na quarta-feira e na sexta-feira, respectivamente. Já na China, o governo divulgará os PMIs industrial e não-industrial na terça-feira.