Itaú Blog

Relatório Focus: alta na expectativa de crescimento do PIB

No Radar do Mercado: nova edição do Relatório Focus apontou uma alta nas expectativas para o PIB; já o IPCA-15 de fevereiro veio abaixo do esperado

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 2 minutos de leitura

Focus: alta na expectativa para o PIB

O Banco Central divulgou hoje mais uma edição do Relatório Focus. De maneira geral, houve revisão altista para o crescimento e baixista para a inflação.

Na comparação com a semana anterior, a mediana das estimativas do IPCA teve uma leve queda, para 3,80% em 2024 e para 3,51% em 2025. Para 2026, a projeção seguiu inalterada (3,50%). Vale lembrar que a meta do Conselho Monetário Nacional (CMN) é de 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Com relação à atividade econômica, as estimativas para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) subiram para 2024 (agora, em 1,75%) e permaneceram estáveis para 2025 e 2026, em 2,0% para ambos os anos.

No âmbito da política monetária, as projeções para a taxa Selic permaneceram inalteradas em todo período analisado, mantendo-se em 9,0% para 2024 e em 8,50% para 2025 e 2026.

Por fim, a estimativa para a taxa de câmbio permaneceu sem mudanças para 2024 (a R$/US$ 4,93), 2025 (a R$/US$ 5,00) e 2026 (a R$/US$ 5,04).

IPCA-15 sobe 0,78% em fevereiro

O IBGE divulgou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) de fevereiro, que registrou uma alta de 0,78%, abaixo da expectativa do mercado (0,83%). Em 12 meses, o indicador acumula alta de 4,49%, ligeiramente acima dos 4,47% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito registraram alta em fevereiro, com exceção de Vestuário, que teve recuo nos preços. Já a maior variação e o maior impacto vieram de Educação, com destaque para cursos regulares por conta dos reajustes habitualmente praticados no início do ano letivo.

Em relação aos núcleos, serviços subjacentes seguiram pressionados e avançaram na média móvel de três meses, enquanto industriais subjacentes voltaram a acelerar. Já o índice de difusão desacelerou para 60,49% em fevereiro (ante 67,03% no mês anterior).

Nossa visão: a leitura veio abaixo das expectativas, com surpresa baixista em industriais subjacentes (vestuário) e serviços subjacentes próximos do esperado, ainda que em patamar pressionado. Para 2024, projetamos IPCA de 3,6%.

💬 O que achou deste conteúdo?

Leia também

Leia também

Banco Central surpreende com corte de juros na China

No Radar do Mercado: o PBoC anunciou um corte em sua taxa de juros acima do esperado; [...]

Nossa recomendação de investimentos de fevereiro

Nicholas McCarthy, Chief Investment Officer (CIO) do Itaú, resume a análise de cenári [...]

Market Update: Perspectivas e Insights do Itaú Private Bank para 2024

Confira os destaques e insights discutidos em nosso evento mensal, em que especialist [...]