Itaú Blog

Setor de serviços e varejo ampliado recuam em agosto

Economia e Mercados: os dados de atividade econômica registraram um desempenho mais fraco do que o esperado nesta semana; na China, o PIB surpreendeu positivamente

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

No Brasil, os dados de atividade econômica divulgados nessa semana mostraram um desempenho mais fraco do que o esperado pelo mercado.

A China, por outro lado, surpreendeu positivamente o mercado apresentando um crescimento anual do PIB do terceiro trimestre acima das expectativas.

A seguir, confira mais detalhes:

Setor de serviços recua em agosto no Brasil

O volume de serviços no Brasil caiu 0,9% em agosto frente a julho, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do IBGE, abaixo da projeção do mercado, que esperava uma alta de 0,4%. Na comparação anual, o setor avançou 0,9%, também abaixo das expectativas. O setor desapontou em agosto, principalmente com relação aos serviços prestados às famílias. Apesar de esperarmos uma recuperação desses serviços em setembro, os números corroboram que a economia irá desacelerar no segundo semestre.

Clique aqui para ler na íntegra.

Vendas no varejo recuam em agosto

O volume de vendas no comércio varejista ampliado caiu 1,3% em agosto em relação ao mês anterior, abaixo das projeções do mercado. Na comparação anual, o indicador registrou alta de 3,6%. Já no conceito restrito, as vendas diminuíram 0,2% no mês, uma queda menos intensa do que o esperado. Na base anual, a alta foi de 2,3%. Apesar do desempenho fraco no mês, a nossa expectativa é de que as vendas no varejo apresentem expansão em setembro.

Clique aqui para ler na íntegra.

IBC-Br recua em agosto

Após divulgação dos dados de atividade econômica pelo IBGE, o Banco Central divulgou o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) de agosto, que caiu 0,77% na comparação mensal, depois de duas altas consecutivas. A queda já era esperada, mas veio mais acentuada do que o projetado pelo mercado (-0,6%). Na comparação anual, o indicador avançou 1,28%, praticamente em linha com as expectativas. Nosso tracking do PIB do 3T23 está em -0,3% tri/tri (1,7% a/a).

Clique aqui para ler na íntegra.

Vendas no varejo dos EUA sobem 0,7% em setembro

As vendas no varejo dos Estados Unidos subiram 0,7% em setembro, desacelerando frente a agosto e vindo bem acima das expectativas. Já o grupo de controle, que tem maior relação com o componente de consumo do PIB americano, avançou 0,6%, acelerando em relação a agosto. Em geral, além do avanço dos indicadores, houve uma revisão para cima das leituras anteriores, sinalizando uma resiliência da atividade, em detrimento da expectativa de desaceleração mais acentuada.

Clique aqui para ler na íntegra.

Produção industrial avança mais do que o esperado nos EUA

O Federal Reserve divulgou a produção industrial dos EUA, que avançou 0,3% em setembro, acima da expectativa do mercado e da leitura de agosto, que foi revisada para baixo (ambas em 0%). Além disso, a taxa de utilização da capacidade instalada registrou um avanço para 79,7%, ligeiramente acima do esperado (79,6%) e da leitura anterior, também revisada para baixo (79,5%).

Clique aqui para ler na íntegra.

PIB da China cresce 4,9% no terceiro trimestre

O PIB da China subiu 4,9% no 3T, na comparação anual, surpreendendo o mercado, que esperava uma expansão mais branda. Na comparação trimestral, a alta foi de 1,3%. Com relação aos dados de atividade de setembro, a produção industrial e as vendas no varejo cresceram acima das projeções, enquanto o mercado de trabalho apresentou queda na taxa de desemprego, para 5%. O setor imobiliário segue mostrando fraqueza, com as vendas e novas construções em território negativo na comparação anual.

Clique aqui para ler na íntegra.

PBoC mantém taxas de juros inalteradas

O banco central da China (PBoC, na sigla em inglês) decidiu manter suas taxas de juros de referência para empréstimos inalteradas. Com isso, a taxa com vencimento de um ano, chamada Loan Prime Rate (LPR), permanece em 3,45% ao ano, enquanto a LPR de cinco anos, referência para hipotecas, está em 4,20% ao ano. A manutenção das taxas já era esperada pelo mercado.

Clique aqui para ler na íntegra.