Como investir pensando no futuro dos filhos?

Por Itaú

4 minutos de leitura
Pai brincando com o filho

Fazer uma poupança para as crianças já foi a melhor forma de guardar dinheiro para garantir um bom futuro para elas. Hoje em dia, ainda que esse tipo de investimento continue bastante popular, existem alternativas mais rentáveis no mercado.

Essa vantagem na rentabilidade é especialmente importante quando você pensa em deixar o dinheiro aplicado por muitos anos ou fazer aplicações mensais até chegar a hora de pagar a faculdade, uma viagem de intercâmbio ou de ajudar a realizar algum outro sonho do início da vida adulta.

Neste post, vamos mostrar algumas alternativas de investimento rentáveis e tão seguras quanto a poupança e explicar como funciona cada uma para te ajudar a tomar boas decisões para o futuro financeiro dos seus filhos.

Qual a importância de investir pensando no futuro dos filhos?

Investir pensando em guardar dinheiro para os filhos é uma forma de a família se planejar financeiramente para pagar uma escola ou faculdade. É também uma maneira de os pais se sentirem mais seguros em relação ao futuro dos filhos.

A regra geral para escolher o melhor investimento para seu momento é levar em conta seu perfil de investidor e o objetivo da aplicação. A lógica é a mesma para decidir como investir para seus filhos. Você deve considerar a idade que eles têm hoje e avaliar qual é a sua tolerância a riscos para escolher o investimento mais adequado ao seu perfil .

Por onde começar a guardar dinheiro para o futuro dos filhos?

Para colocar em prática o sonho de investir para o futuro dos filhos é preciso se organizar financeiramente e estabelecer prazos e objetivos. Confira um passo a passo que criamos para te ajudar a começar.

Conheça os seus números

Em primeiro lugar, você precisa saber quanto a família ganha e quanto ela gasta para descobrir quanto vocês podem investir para o futuro dos filhos. Ou seja, a ideia é começar fazendo um planejamento financeiro. Neste artigo temos um roteiro bem detalhado para te ajudar a organizar sua vida financeira.

Defina prazo e objetivo

O segundo passo é entender qual o seu objetivo ao guardar dinheiro para os filhos. A ideia é pagar uma faculdade ou um intercâmbio daqui a 15 anos, por exemplo? Ter essa meta clara é importante para alimentar a sua motivação de guardar dinheiro.

Quanto vai custar

Descobrir o valor total que você quer guardar para seus filhos é outro passo importante nesse planejamento. Faça uma estimativa desse valor e calcule quanto você precisa investir por mês para chegar lá. Se não tiver esse dinheiro disponível hoje, avalie se é o caso de cortar alguns gastos e economizar dinheiro no dia a dia.

Entenda seu perfil de investidor

Para investir da melhor forma, também é preciso saber como aplicar o seu dinheiro. Para isso, é importante entender o seu perfil de investidor. Quem é mais conservador, por exemplo, pode combinar diferentes tipos de renda fixa na carteira. Por outro lado, os mais arrojados costumam incluir na cesta alguma renda variável.

Para descobrir qual é o seu perfil e começar a investir, faça o teste do Itaú e conte com a ajuda dos nossos especialistas.

Quais são os melhores investimentos a longo prazo?

Se você pensa em investir para pagar uma faculdade ou intercâmbio daqui a quinze anos, estamos falando de investimentos de longo prazo. Confira quais são os principais investimentos desse tipo e entenda como funciona cada um.

Previdência Privada

A previdência privada é um investimento de longo prazo que pode ser criado para uma criança desde que ela tenha CPF. Nesse tipo de aplicação, você pode investir a partir de R$ 1. A rentabilidade dos planos de previdência pode ultrapassar 5% ao ano e varia de acordo com o plano contratado.

Na hora de considerar esse tipo de investimento para seus filhos, é interessante considerar que existem dois tipos de previdência privada, PGBL e VGBL. Uma das principais diferenças entre elas é que a PGBL oferece benefício fiscal (de redução no Imposto de Renda) para quem investe até 12% da renda anual. Por outro lado, na hora do resgate, o imposto do PGBL incide sobre total da aplicação enquanto no VGBL a incidência ocorre apenas sobre os rendimentos.

CDB e RDB

O certificado de depósito bancário, mais conhecido como CDB é uma aplicação de renda fixa em que você empresta dinheiro para uma instituição financeira. Há CDBs prefixados, em que a taxa de juros é determinada no momento da aplicação, e pós-fixadas, que acompanham algum indicador como o CDI.

O RDB, por sua vez, é a sigla para recibo de depósito bancário. A principal diferença do CDB para o RDB é que o segundo só pode ser resgatado na data de vencimento.

Há opções de CDB em que você pode investir a partir de R$ 1. Também há opções voltadas para o longo prazo, como o CDB Plus, em que a rentabilidade cresce de acordo com o prazo de permanência do dinheiro na aplicação. Esse investimento é coberto pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) em até R$ 250 mil por CPF.

Para quem não se lembra, o FGC é um mecanismo que protege os investidores, minimizando o risco de crédito e resguardando seus investimentos de eventuais problemas com a instituição financeira.

Tesouro Direto

Tesouro Direto também é uma modalidade de investimento de renda fixa. A maior diferença para o CDB é que quem aplica no Tesouro está investindo em títulos públicos, ou seja, está emprestando dinheiro para o Governo Federal. Em troca, ele se compromete a devolver o valor investido acrescido de um rendimento que varia de acordo com o tipo de título que você escolher.

É possível começar a investir nesses títulos com menos de R$ 50. Conheça o Tesouro Direto.

Fundos de investimento

Outra opção para investir para os filhos são fundos de investimento. Esse tipo de aplicação oferece a possibilidade de investir em renda fixa, ações, câmbio e títulos privados, por exemplo, sob a gestão de um especialista, que é o responsável por gerar rentabilidade e controlar os riscos do investimento.

Fundos de investimento de renda fixa, que mesclam títulos públicos e privados, são uma boa alternativa para quem busca previsibilidade. Já fundos de ações são mais interessantes para quem procura um retorno maior no longo prazo e, em troca, aceita correr um risco mais alto. Lembre-se de que ações são aplicações de renda variável.

Há ainda fundos multimercados, que combinam várias possibilidades de investimento, como renda fixa, ações e câmbio.

Ações

Para quem tem conhecimento sobre investimentos e perfil mais arrojado, investir em ações também é uma alternativa para diversificar os investimentos de longo prazo.

Ainda assim, na hora de decidir como investir para seus filhos, é importante considerar que ações são renda variável e que, por isso, são mais arriscadas e menos previsíveis que qualquer investimento de renda fixa. Por outro lado, elas podem oferecer retornos mais altos do que oferecem as aplicações mais conservadoras.

Conte com a ajuda do Itaú

Se você tiver dúvidas sobre como investir para os filhos, conte com a ajuda dos especialistas do Itaú para avaliar as melhores alternativas para cada momento da sua família. Se ainda não é correntista, abra sua conta.