Itaú Blog

PIB brasileiro e Payroll surpreendem o mercado

O PIB do Brasil e a criação de vagas nos EUA vieram acima das expectativas; na China, o governo anunciou novas medidas para impulsionar a economia

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

Em uma semana repleta de divulgações importantes, o destaque no cenário local ficou com a divulgação do PIB do segundo trimestre, que cresceu mais do que o esperado.

Nos EUA, a aguardada divulgação do Payroll mostrou uma aceleração na criação de vagas em agosto, enquanto a taxa de desemprego aumentou no período. Já os indicadores de inflação ainda mostram persistência tanto nos EUA como na zona do euro.

O governo chinês também despertou a atenção dos investidores ao anunciar medidas para impulsionar a economia e restaurar a confiança do mercado.

Confira mais detalhes a seguir.

PIB brasileiro avança acima do esperado no segundo trimestre

No segundo trimestre de 2023, o PIB cresceu 0,9% em relação ao trimestre anterior e 3,4% em relação ao mesmo período de 2022, bem acima das expectativas. Pelo lado da oferta, a agricultura registrou queda, enquanto o setor de serviços e a indústria expandiram. Do lado da demanda, o destaque ficou para a aceleração do consumo das famílias. Após essa surpresa positiva, nossa projeção para o PIB deste ano (2,5%) deve ser revisada para cima.

Clique aqui para ler na íntegra.

Taxa de desemprego cai para 7,9% no trimestre encerrado em julho

A taxa de desemprego do Brasil ficou em 7,9% no trimestre encerrado em julho, em linha com as expectativas do mercado. A massa salarial real efetiva permaneceu praticamente estável em julho, mas esperamos uma pressão salarial nos próximos meses devido ao forte mercado de trabalho. Mantemos nossa estimativa de que a taxa de desemprego encerrará 2023 em 8,0%.

Clique aqui para ler na íntegra.

Governo apresenta Orçamento de 2024 e medidas para aumentar a receita

O governo enviou o Orçamento de 2024 e apresentou algumas medidas que visam aumentar suas receitas no próximo ano, como a medida provisória que trata da tributação dos fundos de investimento e também o projeto de lei que altera a tributação de investimentos e estruturas no exterior detidas por pessoas físicas.

Clique aqui para ler na íntegra.

Payroll: EUA criam 187 mil vagas em agosto

O Payroll indicou a criação de 187 mil vagas em agosto, acima das expectativas do mercado, e mostrou uma aceleração do ritmo identificado no mês anterior. A taxa de desemprego subiu para 3,8%, também acima do esperado. Os ganhos salariais por hora trabalhada subiram 0,2%, e nos últimos 12 meses, houve alta de 4,3%. Em linhas gerais, o mercado de trabalho americano continua sólido.

Clique aqui para ler na íntegra.

PIB dos Estados Unidos é revisado para baixo

O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu 2,1% no 2T de 2023, em relação ao trimestre anterior, em termos anualizados, ante estimativa anterior de 2,4%. A revisão ocorreu devido a revisões baixistas nos estoques e em investimento fixo não residencial. Por outro lado, houve revisão para cima do consumo das famílias, que continua sendo sustentado por um sólido mercado de trabalho. Assim, ainda que o ritmo de crescimento tenha sido revisado para baixo, a trajetória de expansão da economia americana continua, amparada pela resiliência no consumo.

Clique aqui para ler na íntegra.

Inflação dos EUA medida pelo núcleo do PCE sobe em linha com o esperado

O núcleo do Índice de Preços das Despesas de Consumo Pessoal dos EUA, que exclui energia e alimentos, subiu 0,2% em julho, mantendo o ritmo do mês anterior. Na comparação anual, houve uma ligeira aceleração para 4,2%. O indicador “cheio” do PCE também manteve o ritmo de junho, de 0,2%. Já na comparação anual, houve aceleração (para 3,3%). Os indicadores de gastos dos consumidores aceleraram acima do esperado em julho e reforçam o cenário de resiliência do consumo americano, em meio a uma desinflação gradual que deve continuar à frente.

Clique aqui para ler na íntegra.

Ata do BCE mantém em aberto possibilidade de novas altas nos juros

O Banco Central Europeu divulgou a ata da sua última reunião de política monetária, quando as autoridades elevaram os juros em 25 pontos-base. O documento mostrou preocupação com a convergência da inflação para a meta, enquanto os indicadores de atividade apontavam para uma perspectiva de crescimento fraco e a inflação subjacente ainda mostrava níveis elevados. A ata reforçou que as decisões futuras devem garantir que os juros sejam fixados em níveis suficientemente restritivos durante o tempo necessário para trazer a inflação para a meta de 2%.

Clique aqui para ler na íntegra.

Inflação da zona do euro parou de desacelerar em agosto

O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 0,6% em agosto em relação ao mês anterior, acima do esperado pelo mercado. Na comparação interanual, a inflação permaneceu em 5,3%, enquanto a medida de núcleo desacelerou para 5,3%. Assim, a inflação na região persiste em patamar elevado e impõe um desafio para o Banco Central Europeu (BCE), que tem como objetivo levar a inflação para a meta de 2%, em meio a um cenário de fraco crescimento.

Clique aqui para ler na íntegra.

China anuncia medidas para impulsionar a economia

As autoridades chinesas anunciaram a redução do imposto sobre negociações de ações pela metade, para 0,05%, a intenção de abrandar o ritmo dos IPOs e restringir as condições de refinanciamento para algumas empresas listadas em bolsa. Posteriormente, divulgaram medidas nacionais para o setor imobiliário, como redução do pagamento inicial mínimo para compras de primeira e segunda casa e das taxas de juros de novas hipotecas. Também houve corte do compulsório para depósito em moeda estrangeira, para 4%, em uma tentativa de conter movimentos fortes da moeda.

Clique aqui para ler na íntegra.