Itaú Blog

Economia e mercados: decisão do Fed no centro das atenções

A decisão de política monetária do Federal Reserve ficou no centro das atenções dos investidores nesta semana, junto com a divulgação de alguns indicadores econômicos importantes

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

Divulgações econômicas e a decisão de política monetária dos Estados Unidos ficaram no centro das atenções dos investidores nesta semana. Enquanto os dados apontaram que a pressão sobre os preços continua e que o país entrou em recessão técnica, o Federal Reserve optou por manter sua postura mais dura com o objetivo de trazer a inflação de volta para a meta.

Confira, abaixo, alguns fatores que impactaram os mercados nos últimos dias.

IPCA-15 avança 0,13%, abaixo do esperado

O IPCA-15 teve uma alta mensal de 0,13% em julho, desacelerando frente ao registrado em junho (0,69%) e ligeiramente abaixo do esperado pelo mercado (0,16%). Na comparação anual, houve queda de 12,04% para 11,39%. Transportes e Habitação foram os grupos que mais contribuíram negativamente para o indicador, afetados pelas reduções recentes de impostos.

Clique aqui e leia o texto completo.

Federal Reserve eleva juros em 0,75 p.p.

Em linha com as expectativas do mercado, o Federal Reserve promoveu mais uma alta de 75 pontos-base nos juros dos Estados Unidos, com a taxa passando para um intervalo de 2,25% a 2,5% ao ano. Com isso, alcançou o chamado nível neutro. Para as próximas reuniões, o comitê antevê aumentos contínuos.

Clique aqui e leia o texto completo.

Powell reafirma ritmo dependente de dados

Em coletiva, o presidente do Fed, Jerome Powell, reafirmou que o ritmo das próximas altas dependerá dos dados econômicos e das perspectivas para a economia. Mas reconheceu que, à medida que o juro atinge nível restritivo, aproxima-se o momento de redução do ritmo. Nossa expectativa é que o ciclo se encerre com a taxa entre 4,0% e 4,25%.

Clique aqui e leia o texto completo.

PIB dos EUA cai pelo segundo trimestre consecutivo

O PIB dos EUA caiu 0,9% no segundo trimestre em termos anualizados, na comparação com o primeiro trimestre. A leitura surpreendeu o mercado e aponta para a segunda contração consecutiva, o que indica que a economia americana entrou em recessão técnica. À frente, a expectativa é de normalização do ritmo de crescimento.

Clique aqui e leia o texto completo.

Núcleo do PCE americano acelera em junho

A inflação dos EUA medida pelo núcleo do PCE subiu 0,6% em junho, ligeiramente acima das expectativas (0,5%). Na comparação anual, a alta é de 4,8%, acelerando frente a maio (4,7%). Em geral, a leitura reforça a necessidade de que o Fed mantenha a postura mais dura.

Clique aqui e leia o texto completo.

PIB na zona do euro cresce 0,7% no 2º trimestre

O PIB na zona do euro cresceu 0,7% no segundo trimestre, na comparação com o primeiro, bem acima das expectativas do mercado (0,2%). Na comparação anual, o avanço foi de 4% entre abril e junho. Esperamos uma desaceleração no segundo semestre, em meio ao choque de oferta de energia proveniente da Rússia.

Clique aqui e leia o texto completo.

CPI da zona do euro atinge 8,9% em julho

A inflação da zona do euro medida pelo CPI atingiu a máxima histórica de 8,9% e superou o recorde de junho (8,6%), ligeiramente acima das expectativas (de 8,8%). O núcleo do indicador registrou uma alta de 4,0% a/a, acelerando frente a junho (3,7%) e acima das projeções (3,8%). À frente, a expectativa é que a inflação siga pressionada.

Clique aqui e leia o texto completo.