Itaú Blog

Mercado de trabalho brasileiro dá sinais de desaceleração

Taxa de desemprego do país veio em linha com as expectativas, mas tanto o setor formal quanto o informal recuaram

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

No trimestre encerrado em novembro, a taxa de desemprego atingiu 8,1%, em linha com as expectativas. No entanto, o setor formal registrou a primeira queda desde 2020.

A desaceleração deve continuar à frente, uma vez que esperamos um crescimento do PIB de 0,9% em 2023, afetado negativamente por condições monetárias mais apertadas e pelo desempenho econômico mundial mais fraco.

Confira, abaixo, mais detalhes dos fatores que impactaram os mercados nos últimos dias.

Emprego formal no país cai pela primeira vez desde 2020

A taxa de desemprego do Brasil atingiu 8,1% no trimestre encerrado em novembro, segundo a Pnad Contínua, em linha com as expectativas. Mas o segmento formal vem perdendo força e registrou sua primeira queda desde dezembro de 2020. Já o setor informal teve a quarta queda consecutiva. Em nossa visão, os dados confirmam a desaceleração do mercado de trabalho, movimento que deve continuar à frente.

Leia na íntegra.

Vendas no varejo dos EUA recuam em dezembro

As vendas no varejo dos EUA retraíram 1,1% em dezembro, em uma queda mais profunda do que o esperado e que o registrado em novembro. O recuo é mais um indício do processo de desaceleração da economia, ainda que em ritmo gradual, e está alinhada à percepção do mercado de que o Federal Reserve pode desacelerar o ritmo de alta nos juros em fevereiro.

Leia na íntegra.

Produção industrial dos EUA também recua

A leitura da produção industrial americana também retraiu além do esperado pelo mercado em dezembro e foi marcada por revisões negativas dos números anteriores. A produção mensal acelerou o ritmo de contração, de -0,6% em novembro para -0,7%, enquanto a expectativa era de uma queda mais branda, de -0,1%.

Leia na íntegra.

Ata do BCE indica que alta nos juros deve continuar

A ata da última reunião do Banco Central Europeu (BCE) destacou que muitas autoridades não gostariam de desacelerar o ritmo da alta nos juros para 50 pontos-base, mas concordaram em um menor ritmo, desde que acompanhado de uma mensagem mais dura. A ata mostrou também que o processo ainda está longe de terminar e confirma a expectativa de um novo aumento de 50 pontos-base em fevereiro.

Leia na íntegra.

PIB da China surpreende no quarto trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) da China surpreendeu o mercado e cresceu 2,9% no quarto trimestre, na comparação anual. A expectativa era de uma alta mais branda, de 1,6%. Com isso, o país cresceu 3% em 2022, desacelerando em relação aos 8,1% registrados em 2021. A meta de crescimento do país para 2023 deve ser anunciada pelo governo apenas em março.

Leia na íntegra.

Dados de atividade da China desaceleram

Os dados de atividade de dezembro desaceleraram em relação ao mês anterior, mas vieram melhores do que o esperado. A produção industrial desacelerou para 1,3%, enquanto a expectativa era de 0,2%, e sugere que as disrupções na cadeia de suprimentos têm sido mais limitadas do que o antecipado. As vendas no varejo caíram 1,8%, e o desemprego caiu para 5,5%.

Leia na íntegra.

Banco central da China mantém novamente as taxas de juros

O banco central da China (PBoC, na sigla em inglês) manteve inalteradas suas taxas de juros de referência para empréstimos de curto e longo prazos. Com isso, a Loan Prime Rate (LPR) com vencimento de um ano segue em 3,65% ao ano, enquanto a LPR de cinco anos, referência para hipotecas, está em 4,30%. A decisão veio em linha com as expectativas do mercado.

Leia na íntegra.