Itaú Blog

Economia e mercados: decisão do Copom no centro das atenções

Copom elevou a taxa Selic e indicou o provável fim do ciclo de aperto monetário. A deterioração da relação entre EUA e China também chamou a atenção dos mercados

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 3 minutos de leitura

Crédito: Itaú Private Bank

visita da congressista americana, Nancy Pelosi, à Taiwan, chamou a atenção dos mercados nesta semana, pois marcou uma adicional deterioração na relação entre China e Estados Unidos e elevou o risco de conflito na região à frente. No cenário local, o grande destaque foi a decisão do Copom, que subiu a taxa Selic para 13,75% ao ano e indicou o provável fim do ciclo de aperto monetário.

Confira, abaixo, alguns fatores que impactaram os mercados nos últimos dias.

Copom eleva a taxa Selic para 13,75% ao ano

Conforme esperado pelo mercado, o Copom elevou a taxa Selic em 50 pontos-base (bps), para 13,75% ao ano. Além disso, preparou o cenário para o fim do ciclo de aperto monetário, indicando que irá avaliar a necessidade de uma alta residual de 25 bps em setembro. Por enquanto, esperamos que as autoridades mantenham os juros inalterados na próxima reunião.

Clique aqui e leia o texto completo.

Produção industrial recua em junho

A produção industrial recuou 0,4% em junho, frente a maio, interrompendo quatro meses consecutivos de expansão (período em que acumulou crescimento de 1,8%). O resultado veio ligeiramente abaixo das expectativas do mercado (-0,3%). Nosso tracker (estimativa de alta frequência) para o PIB do 2T22 permanece em 1,2% tri/tri.

Clique aqui e leia o texto completo.

China responde à visita de congressista americana

Além de condenar a visita da presidente da Câmara dos Deputados americana, Nancy Pelosi, à Taiwan, e afirmar que ela afeta suas relações com os EUA, a China impôs sanções e aumentou os exercícios militares nas fronteiras com a ilha. Futuras expressões do governo dos EUA devem ter respostas mais duras, mas a probabilidade de um confronto militar no curto prazo permanece baixa.

Clique aqui e leia o texto completo.

BC britânico eleva juros e alerta sobre recessão

Como esperado pelo mercado, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) elevou a sua taxa de juros em 50 pontos-base, para 1,75%. As autoridades alertaram, ainda, que o PIB está em desaceleração e que a economia britânica deve entrar em recessão a partir do último trimestre deste ano e registrar contrações consecutivas ao longo de 2023.

Clique aqui e leia o texto completo.

EUA surpreendem com mercado de trabalho aquecido

Os EUA criaram 528 mil vagas de trabalho em julho, bem acima das expectativas do mercado (250 mil) e acelerando em relação a maio (372 mil). A taxa de desemprego teve um ligeiro recuo, de 3,6% no mês anterior para 3,5%. A leitura aponta para uma economia sólida, indo contra uma possível diminuição do ritmo de alta de juros pelo Federal Reserve.

Clique aqui e leia o texto completo.