Piora da inflação nos EUA coloca em xeque corte de juros no curto prazo

Economia e Mercados: além da nossa revisão de cenário para abril, nesta semana houve a divulgação do IPCA de março no Brasil e do CPI nos EUA

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Imagem ilustrativa.
Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

Enquanto o IPCA de março veio abaixo do esperado nesta semana, a inflação medida pelo CPI nos EUA veio forte e acima das expectativas, postergando a expectativa para um início do ciclo de cortes nos juros pelo Federal Reserve (Fed, banco central americano).

Diante dos dados econômicos mais recentes, divulgamos a nossa revisão de cenário macroeconômico global, considerando os impactos da inflação persistente e da atividade econômica forte, bem como do cenário local, que demanda maior cautela frente ao cenário externo desafiador.

Confira mais detalhes a seguir.


Inflação sobe mais do que o esperado nos EUA

O índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos EUA subiu 0,4% em março, mantendo o ritmo de fevereiro. Em 12 meses, a inflação acelerou para 3,5%, acima da leitura anterior. O núcleo do indicador, que desconsidera os itens mais voláteis, como alimentos e energia, também manteve o ritmo do mês anterior (0,4% na comparação mensal e 3,8% na base anual). Além da leitura acima do esperado, a composição segue menos favorável, com a aceleração do componente de serviços. A combinação de dados de mercado de trabalho e inflação resilientes posterga as expectativas para um início de corte de juros nos EUA.

Clique aqui para ler na íntegra.


BCE divulga decisão de política monetária

O Banco Central Europeu divulgou sua decisão de política monetária, mantendo estáveis as principais taxas de juros, em linha com o esperado. Quanto aos próximos passos, a autoridade constatou que será apropriado reduzir os juros caso a dinâmica da inflação e a força da transmissão da política monetária garantam confiança suficiente de que a inflação voltará para a meta de 2%. Além disso, reiterou a postura dependente da evolução dos dados para determinar o nível e a duração da política monetária restritiva, assegurando que manterá as taxas no patamar atual pelo tempo que for necessário.

Clique aqui para ler na íntegra.

Revisão de Cenário – Global: Inflação alta e atividade forte adiam corte de juros nos EUA

Deslocamos nossa expectativa de início do ciclo corte de juros dos EUA de junho para dezembro deste ano, frente à atividade econômica forte e a inflação persistente, e seguimos esperando três cortes em 2025. Já na Europa, continuamos esperando o primeiro corte de juros em junho, em meio à atividade fraca e moderação da inflação. Na China, a atividade melhorou no primeiro trimestre, mas as incertezas continuam, de modo que mantemos nossas projeções de crescimento do PIB.

Confira o relatório na íntegra.

Revisão de Cenário – Brasil: Cenário global mais desafiador, cautela maior

Revisamos para cima a nossa projeção do PIB, para 2,3% em 2024, diante dos dados mais fortes, e para baixo para 2025, para 1,8%. Revisamos para cima a projeção de câmbio para R$ 5,00 por dólar em 2024 e R$ 5,20 por dólar em 2025, diante do aumento de incertezas que pressionam a moeda. Elevamos nossa projeção de IPCA para 3,7% em 2024, com uma composição mais adversa, e para 3,6% em 2025. Por fim, revisamos para cima a projeção da taxa Selic, com desaceleração no ritmo de cortes a partir de junho e terminando o ano em 9,75%, permanecendo neste patamar em 2025.

Confira o relatório na íntegra.

IPCA varia 0,16% em março, com melhora qualitativa

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março subiu 0,16% no mês, abaixo da expectativa do mercado. O acumulado em 12 meses ficou em 3,93%, abaixo do observado no período imediatamente anterior. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, seis tiveram alta no mês. O qualitativo dessa divulgação, ao contrário das anteriores, foi melhor do que o esperado, com surpresas baixistas em serviços subjacentes e industriais subjacentes. Para 2024, seguimos projetando IPCA de 3,6%.

Clique aqui para ler na íntegra.

Varejo brasileiro supera expectativas em fevereiro

As vendas no comércio varejista ampliado avançaram 1,2% em fevereiro em relação ao mês anterior, acima das projeções. Na base anual, a alta foi de 9,7%. Já no conceito restrito (que desconsidera veículos, motos, partes e peças, além de material de construção), as vendas subiram 1,0% no mês, superando as expectativas de um recuo. Os dados corroboram a nossa visão de que o forte número de janeiro não foi uma devolução de dezembro ou devido a alguma distorção sazonal. Acreditamos que os precatórios (disponibilizados às famílias) e o aumento do salário-mínimo estão impactando positivamente o varejo.

Clique aqui para ler na íntegra.

Setor de serviços contrai 0,9% em fevereiro

O volume de serviços do Brasil recuou 0,9% em fevereiro, após três resultados positivos consecutivos, segundo a Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) divulgada do IBGE. A leitura veio abaixo das projeções do mercado, que esperava uma alta. Na comparação anual, a alta é de 2,5%. O setor de serviços teve um desempenho mais fraco do que o esperado, puxado por transportes e serviços profissionais. Para o próximo mês, no entanto, esperamos uma alta, com os serviços prestados às famílias como destaque positivo.

Clique aqui para ler na íntegra.

Os impactos da alta no preço do petróleo na inflação

O petróleo atingiu o patamar mais alto desde outubro de 2023, para cerca de 90 dólares por barril no início deste mês. Do lado da demanda, a economia global mais forte contribui para preços mais elevados. Já do lado da oferta, há a extensão de cortes voluntários na produção de petróleo da OPEP+, além do maior prêmio de risco por conta do cenário geopolítico (na Ucrânia e em Israel). Fica no radar a possibilidade de eventuais ajustes no preço doméstico, com consequente impacto altista na inflação brasileira.

Clique aqui para ler na íntegra.

Leia também

Leia também

Da renda fixa ao bitcoin: 5 destaques do Private Wealth DC Metro Forum

Confira mais detalhes do que foi discutido no Private Wealth DC Metro Forum, em Washi [...]

Evolução do cenário econômico no primeiro trimestre do ano

À medida que nos aproximamos do fim do primeiro trimestre de 2024, torna-se interessa [...]

A importância da governança corporativa para o sucesso empresarial

Na nova edição do Wealth Planning Insights, discutimos um assunto muitas vezes esquec [...]