Itaú Blog

Política monetária brasileira e americana em foco

Economia e Mercados: enquanto mercado de trabalho americano segue resiliente, Fed sinaliza que não deve cortar juros na reunião de março; no Brasil, mensagem do Copom seguiu inalterada

Foto do Autor

Itaú Private Bank

• 4 minutos de leitura

Crédito: Getty Images/Itaú Private Bank

A semana foi marcada pelas decisões de política monetária do Brasil e dos EUA. No Brasil, a mensagem das autoridades seguiu inalterada após mais um corte de 50 pontos-base na taxa Selic.

Já nos EUA, Jerome Powell, presidente do Fed, surpreendeu ao sinalizar ser pouco provável que o banco central inicie o processo de corte da taxa de juros americana em março, argumentando que é preciso uma manutenção dos dados positivos nas próximas leituras para obter maior confiança.

Confira mais detalhes a seguir.

Copom: nova composição, decisão e mensagem inalteradas

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu novamente a taxa Selic em 50 pontos-base para 11,25% ao ano, em decisão unânime, mesmo com mudança na composição da diretoria. De maneira geral, o comunicado trouxe poucas alterações com relação ao que foi divulgado na decisão de dezembro. Seguimos esperando que a taxa Selic termine o ano em 9,00% a.a., e saberemos mais sobre as perspectivas e plano de voo das autoridades com a divulgação da ata da reunião, na próxima terça-feira, 6 de fevereiro.

Clique aqui para ler na íntegra.

Produção industrial brasileira surpreende em dezembro

A Pesquisa Industrial Mensal (PIM) de dezembro apontou uma alta mensal de 1,1% na produção nacional, bem acima do esperado pelo mercado (0,3%). Frente a dezembro de 2022, a alta foi de 1,0%. A leitura surpreendeu positivamente em dezembro. No quarto trimestre, a expansão foi de 1,2% tri/tri. Com isso, o nosso tracking para o PIB do 4T subiu para -0,1% t/t (+1,9% a/a). Olhando à frente, esperamos uma continuidade desta tendência de alta da indústria, puxada pelo setor extrativista.

Clique aqui para ler na íntegra.

Fed mantém juros pela quarta vez consecutiva

O Federal Reserve (banco central americano) manteve a taxa de juros americana no intervalo de 5,25% a 5,50% pela quarta vez consecutiva, em linha com as expectativas. O comitê considera que o balanço de riscos está mais equilibrado, mas reforçou que permanece atento aos riscos de inflação. Destacou também que, antes de fazer qualquer ajuste, irá avaliar cuidadosamente os dados. E que não espera que seja apropriado reduzir os juros até que tenha maior confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável em direção à meta de 2%.

Clique aqui para ler na íntegra.

Powell: é preciso mais confiança para cortar os juros

Na coletiva de imprensa, Jerome Powell, presidente do Fed, afirmou não acreditar ser provável que o comitê atinja até março o nível de confiança necessário para iniciar o ciclo de cortes nos juros. Powell mencionou que a inflação desacelerou notavelmente, mas que precisam observar mais evidências da continuidade desse processo. Quando perguntado sobre a possibilidade de ajustes ao processo de redução do balanço, Powell afirmou que houve alguma discussão sobre o tema neste encontro, e que o comitê planeja abordar com maior profundidade na próxima reunião, em março.

Clique aqui para ler na íntegra.

Payroll: criação de vagas acelera nos EUA

O Payroll indicou a criação de 353 mil vagas em janeiro, acima do resultado de dezembro (revisado de 216 mil para 333 mil) e da projeção de mercado (de 185 mil). A taxa de desemprego seguiu em 3,7%, enquanto a expectativa era de 3,8%. Já a taxa de participação ficou em 62,5%, em linha com o esperado. Os ganhos salariais por hora trabalhada subiram mais do que o projetado (0,6% m/m e 4,5% a/a). A leitura corrobora a estratégia sinalizada pelo Fed de manutenção dos juros no patamar atual por mais tempo, reduzindo a probabilidade de um corte em março.

Clique aqui para ler na íntegra.

BC britânico mantém juros inalterados

Conforme esperado, o Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) manteve suas taxas de juros (em 5,25%) pela terceira reunião consecutiva. A decisão não foi unânime. Dos nove membros, dois votaram a favor de uma alta de 25 pontos-base e um foi a favor de um corte nos juros. O comitê destacou que o balanço de riscos para a inflação está mais equilibrado, mas os principais indicadores de inflação permanecem elevados. Diante disso, a política monetária deve seguir restritiva por tempo o suficiente para que a inflação volte à meta de 2% de forma sustentável no médio prazo.

Clique aqui para ler na íntegra.

PIB da Zona do Euro fica estável no quarto trimestre

O PIB da Zona do Euro ficou estável no quarto trimestre de 2023, em relação ao trimestre anterior. A leitura foi melhor do que o esperado pelo mercado, que esperava a manutenção do ritmo do 3T23, quando o indicador contraiu 0,1%. Em 2023, o crescimento do PIB na região foi de 0,5%. Com isso, o bloco evitou entrar em recessão técnica (definida por duas leituras negativas de crescimento trimestral), mas o quadro de atividade fraca continua.

Clique aqui para ler na íntegra.

Inflação da zona do euro avança mais do que o esperado

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro avançou 2,8% em janeiro, desacelerando em relação a dezembro (2,9%) e um pouco acima do esperado (2,7%). O núcleo do indicador, que exclui itens mais voláteis, ficou em 3,3%, também desacelerando (3,4%), mas levemente acima das projeções (3,2%). A leitura mostra uma inflação de serviços persistente, o que corrobora o cenário de uma desinflação mais gradual adiante e oferece argumento para um corte mais tardio nos juros, frente às expectativas por um corte na reunião de abril.

Clique aqui para ler na íntegra.

Leia também

Leia também

Um guia sobre as eleições americanas de 2024 | Private Insights

Confira nosso guia sobre a disputa presidencial americana de 2024 que teve pontapé na [...]

Transição econômica da China: de tijolos a microchips | Private Insights

Neste artigo, analisamos os recentes movimentos do governo, quais as dificuldades a s [...]

Crise no Mar Vermelho: inflação à vista?

No Radar do Mercado: ataques na região do mar vermelho têm aumentado o risco de uma e [...]